Petrolândia Notícias: Polícia prende quadrilha de tráfico de cocaína em PE e mais dois estados

CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

sexta-feira, 23 de abril de 2021

Polícia prende quadrilha de tráfico de cocaína em PE e mais dois estados

Nesta sexta-feira (23), uma organização criminosa que atuava no refino e tráfico de cocaína foi desarticulada por uma ação policial em Pernambuco, Mato Grosso e Minas Gerais movimentou R$ 145 milhões em transações bancárias.

A Operação Calcanhar de Aquiles prendeu 13 dos 15 alvos com mandados expedidos pela Justiça. Além disso, a operação cumpriu 25 mandados de busca e apreensão. A polícia também descobriu que empresas de fachada eram utilizadas no esquema de lavagem de dinheiro.


As investigações tiveram início no interior do estado e os mandados foram expedidos pela Comarca de Barreiros, na Zona da Mata Sul.


Segundo o delegado Mário Melo, titular de Barreiros, a operação teve início a partir de análise do conteúdo de um celular de um traficante que atuava na cidade e foi preso.

“Identificamos que havia depósitos e vultosos de valores totalmente incompatíveis com a capacidade financeira daquele cidadão e de outras pessoas aos quais ele fazia essas transferências”, afirmou o policial.

O policial explicou que foram solicitadas quebras de sigilos bancário e fiscal de suspeitos. “Assim, identificamos quatro grupos criminosos que negociavam e faziam transferências bancárias com valores incompatíveis com as rendas das pessoas envolvidas”, apontou.

Segundo Melo, o esquema funcionava da seguinte maneira: um grupo atuava com refino de cocaína, em Mato Grosso, e em Pernambuco, era feita a compra da droga.

Havia um núcleo local que contava com um braço em Mato Grosso. Esses criminosos usavam pessoas próximas ou da família, que não tinham envolvimento direto nas ações, para lavar o dinheiro.

“Os seus nomes eram utilizados para serem abertas contas bancárias e empresas, justamente para dar aparência lícita desses valores auferidos com a venda de entorpecentes”, disse o delegado.

No total, ficou constatada a participação de cinco empresas de fachada com utilização de laranjas. “Três delas ficam em Minas Gerais e duas em Mato Grosso. Elas movimentavam milhões e não tinham sócios nem funcionários”, disse Mário Melo. 

Informações do G1

Social