Petrolândia Notícias: Fernando Bezerra Coelho de volta à base do PSB? Sim, tem sido comentado nos bastidores socialistas

CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

sábado, 10 de abril de 2021

Fernando Bezerra Coelho de volta à base do PSB? Sim, tem sido comentado nos bastidores socialistas

O senador Fernando Bezerra (MDB) já caminhou por vários governos e vertentes políticas. Talvez isso faça com que alguns socialistas levantem a possibilidade de que ele volte ao palanque da Frente Popular.

Vale lembrar, atualmente, o pernambucano, que já foi aliado de Eduardo Campos, apoiava Lula e tinha filho ministro no governo Temer (MDB), hoje é líder do governo Bolsonaro (sem partido).

Um dos sinais apontados por ao menos três fontes da base aliada do PSB é que FBC não se empenhou tanto quanto se imaginava na campanha de Mendonça Filho (DEM) à Prefeitura do Recife, “como se não quisesse implodir uma ponte futura com o PSB”.

Ele também teria deixado de criticar o governo diretamente. Mesmo nos momentos em que o presidente de quem ele é líder volta à metralhadora contra Paulo Câmara, Fernando Bezerra evita elevar o tom em consonância.

Cabe explicar que a coluna vem ouvindo rumores sobre essa possibilidade desde o início do ano, sempre negados pelo grupo político do senador.

Hoje, por exemplo, um dos filhos de Fernando Bezerra, o deputado estadual Antônio Coelho (DEM), é líder da oposição ao governo Paulo Câmara (PSB) na Alepe.

Outro filho, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), iniciou uma construção recente para ser candidato ao governo de Pernambuco, pela oposição, e teria já avisado ao presidente estadual do MDB, Raul Henry, de sua intenção.

Quando alguém pergunta ao prefeito sobre o pai tentar a reeleição pela Frente Popular, Miguel responde com uma só palavra: “improvável”.

Mesmo assim, tem socialista que insiste. “improvável não é impossível”, brincam.

Ao menos dois aliados do PSB e um socialista já levantaram essa hipótese à coluna. Ele poderia ser o candidato majoritário na chapa do PSB em 2022 e tentar a reeleição, comentam.

Por Igor Maciel/JC