Petrolândia Notícias: BR110 – Uma nova luz no fim da Reta do Mirim, entre Petrolândia e Ibimirim; governo federal destina mais de 2 Milhões para início da pavimentação da rodovia

CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

terça-feira, 20 de abril de 2021

BR110 – Uma nova luz no fim da Reta do Mirim, entre Petrolândia e Ibimirim; governo federal destina mais de 2 Milhões para início da pavimentação da rodovia

Enquanto houver fé, sempre haverá esperança. Essa frase é dita sempre por aquele que acredita que algo bom irá acontecer um dia. Pois bem. Mais uma vez surgiu uma luz de esperança rodeando a BR-110, na Reta de Ibimirim, trecho entre as cidades de Petrolândia e Ibimirim, no sertão de Itaparica e Moxotó de Pernambuco.

Foi publicado no Diário Oficial da União do último dia 08 (veja a publicação), um Termo de Execução Descentralizada no valor de R$ 2.708.281,14 (dois milhões, setecentos e oito mil, duzentos e oitenta e um reais e quatorze centavos) para “execução dos Projetos Básico e Executivo de pavimentação da Rodovia BR-110/PE, trecho Entre PE 290/312/360 (Ibimirim) – Entre BR-316(B) (p/ Floresta) e da Rodovia BR-316/PE, trecho Entre BR-110(B)/PE-355 (Hotel do Peba) – Entre PE-AL, visando o aumento da capacidade de tráfego, escoamento da produção, maior segurança aos usuários e melhoria da qualidade de vida da população”.

Segundo a publicação, as obras serão tocadas pelo Departamento de Engenharia e Construção – DEC do Exército Brasileiro que já se encontra realizando as obras de “reparo e conservação” da rodovia.


A mais de 80 anos, o trecho da BR 110 que liga as cidade de Ibimirim e Petrolândia, ambas no sertão de Pernambuco, não passa apenas de uma faixa de terra, cascalhos e poreira de 78km. Sim, 80 anos, pois a reta começou a ser cortada na caatinga pernambucana na década de 40, pela IFOCS – Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, foi passada para o DNER, hoje sob responsabilidade do DNIT.

BR 110 – Reta de Ibimirim – Foto: Anderson Machado

Antes da construção da barragem de Itaparica, a Reta de Ibimirim tinha uma extensão de 94 quilômetros; depois, essa extensão diminuiu para 78 km, isso em função da construção da nova cidade de Petrolândia, que fora recuada.

As obras de pavimentação asfáltica desse trecho da Br 110, tão sonhado e desejado por toda população das cidades de Petrolândia, Ibimirim e Inajá, e que se concluída, facilitará muito a viagem de ambulâncias para os hospitais de Arcoverde a Recife, aumentaria a segurança da população nas viagem, reduziria o tempo da viagem para a capital, melhoraria o escoamento da produção agropecuária da região e seria fator primordial para o desenvolvimento econômico da região do Sertão de Itaparica e Moxotó, porém os projetos nunca saíram do papel e das promessas dos políticos que, a cada eleição, ludibria os eleitores da região, utilizando de 78km de areia, cascalhos e poeiras para praticar o “estelionato político”, angariar votos e se perpetuarem no poder, seja no executivo ou no legislativo.

O último a utilizar a Reta de Ibimirim para angariar votos, foi o Ex-Senador Armando Monteiro, que no ano de 2015 divulgou a Emenda Parlamentar de número 71180002, que destinava o valor de R$ 200.000.000,00 (Duzentos Milhões de Reais) para as obras de pavimentação asfáltica da reta, chegando até a utilizar o DNIT na propaganda enganosa, pois em 2017, o Superintendente DNIT, Cacildo Cavalcanti, chegou a divulgar o início das obras para Janeiro de 2017.


Na época, o 2º BEC – Batalhão de Engenharia do Exército, chegou a fazer uns trabalhos de terraplanagem e recuperação de pista que havia se deteriorado com as chuvas da região, como um “paliativo”.

Cheguei a entrar em contato com o DNIT no final do ano de 2019 solicitando informações referente às obras de pavimentação asfáltica da Reta de Ibimirim, e a resposta que eu tive foi que “Um estudo de viabilidade está em andamento para a realização de obras de pavimentação nesse trecho da BR-100. É necessário aguardar a conclusão do estudo para os procedimentos de elaboração do projeto”.

Maquinas do 2º BEC na BR 110 Reta de Ibimirim/Foto: Alex Santos

Agora vem o fato curioso:

Como que o Superintendente do DNIT disse que as obras iniciariam em 2017, pois todos os estudos e autorizações estavam em mãos, e em 2019 o mesmo órgão diz que é necessário terminar os estudos de viabilidade técnica?
Que estudo danado é esse?
É aula de reforço é?
DANOSSE!

Ou o Superintendente foi utilizado como ferramenta política no ano de 2017, já quem em 2018 teríamos as eleições presidenciais, ou os responsáveis pelo DNIT são mais perdidos que cachorro quando cai de caminhão de mudança devido as trepidações provocadas pelas pontas de pedras da BR-110 (Reta de Ibimirim).

Uma obra que nunca vemos o resultado – BR 110 – Reta do Mirim/Fotos: Alex Santos

Já em janeiro de 2020, o empresário petrolandense Jadilson Ferraz, fez um vídeo na BR 110-Reta de Ibimirim, mostrando crateras abertas pela chuva, apresentando a situação do trecho da BR e fazendo um apelo ao Presidente Jair Bolsonaro para que atuasse e resolvesse de uma vez por todas esse problema que já perdura por mais de 80 anos.


Empresário Jadilson Ferraz faz apelo para que o Presidente Jair Bolsonaro resolva a situação precária da BR 110 – Reta de Ibimirim

Na ocasião, o Ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes Freitas tomou conhecimento do vídeo e enviou uma resposta através do seu perfil no Twitter na qual disse “já estamos trabalhando na confecção de projeto para a pavimentação desse trecho. Estamos com o exército no trecho fazendo a manutenção e essas erosões já estão sendo corrigidas. Vamos a fazer a manutenção do revestimento primário até iniciarmos a pavimentação.“

Tentamos entrar em contato com o DNIT enviando e-mail no dia 11/04, com base na Lei de Acesso a Informação para a Ouvidoria e a Superintendência em Pernambuco, e até o fechamento desta matéria não obtivemos retorno, porém já podemos utilizar a publicação do TED no Diário Oficial da União como uma resposta oficial e como um combustível para as nossas esperanças de um dia poder ver a tão sonhada pavimentação asfáltica da Reta de Ibimirim.

Pois bem.
Outras chuvas vieram e outras crateras foram abertas, acidentes aconteceram e até agora nada foi resolvido e a pergunta fica…
Até quando ficaremos assim???

Da redação do Blog do Thiago Ferraz  com participação de Alex Santos do Blog Petrolândia Noticias

Social