Petrolândia Notícias: Intervenção na Petrobras não abala popularidade de Bolsonaro

CLIMAGEM

CLIMAGEM















quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Intervenção na Petrobras não abala popularidade de Bolsonaro

Uma nova rodada da Pesquisa XP/Ipespe em fevereiro aponta que o episódio da troca do presidente da Petrobras não abalou a avaliação positiva do governo Jair Bolsonaro: o índice passou de 30% para 31% quando comparado ao levantamento anterior, realizado no último dia 4. Já os que classificam a gestão Bolsonaro como ruim ou péssima se mantiveram em 42%.

Quando a pergunta se refere à mudança no comando da Petrobras, 40% dos entrevistados entendem que Bolsonaro errou ao demitir o presidente da estatal, enquanto 38% avaliaram a troca como um acerto. Sobre a definição dos preços dos combustíveis, 41% consideram que os reajustes deveriam ter prazos estabelecidos pelo governo, com uma limitação de aumento de preços em intervalos menores que três meses, mesmo que sejam pautados pelo mercado.

Entre os entrevistados que declaram ter votado em Bolsonaro em 2018, 22% entendem que o governo deve estabelecer os preços, mesmo que isso levasse a um aumento geral de impostos. A não interferência do Executivo nos preços dos combustíveis é defendida por 25% dos entrevistados.

O XP/Ipespe realizou 800 entrevistas em todo Brasil, nos dias 22 e 23 de fevereiro. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

Outros dados

A pesquisa atesta, ainda, apoio popular a uma postura mais intervencionista do governo na economia. A regulação de preços e do comércio entre países é defendida por 53% da população. Três pontos percentuais acima, mas próximo do verificado em junho de 2018.

Quanto às privatizações, há uma aversão à venda de empresas estatais em geral: 59% são contra. O percentual, contudo, caiu em relação aos que rejeitavam a proposta em junho de 2018 (64%).

Sobre a retomada do auxílio emergencial, há amplo apoio na sociedade. Entre os consultados, 69% defendem que o governo estabeleça uma nova rodada, com valor entre R$ 200 e R$ 300. A criação de um novo auxílio é dada como certa para 60% dos respondentes.

Via Blog do Magno 

Nenhum comentário: