Petrolândia Notícias: Ex-marido de dentista é preso por feminicídio em Paulista, no Grande Recife

CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

domingo, 28 de fevereiro de 2021

Ex-marido de dentista é preso por feminicídio em Paulista, no Grande Recife


Lívio Quirino Neto se apresentou à polícia dias após o feminicídio de Emelly Nayane da Silva Ribeiro, ex-esposa dele — Foto: Reprodução/WhatsApp

O ex-marido da dentista pernambucana Emelly Nayane da Silva Ribeiro, de 24 anos, foi preso na tarde do sábado (27), em Paulista, no Grande Recife. De acordo com a Polícia Civil, Lívio Quirino de Oliveira Neto foi preso em cumprimento a um mandado de prisão preventiva pelo feminicídio da ex-esposa.

Ele é considerado o principal suspeito do crime desde o início das investigações. Após o cumprimento do mandado, Lívio passou por exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, no Centro do Recife.

Em seguida, ele foi encaminhado para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana.

De acordo com o advogado Graziano Silva, que atua na defesa de Lívio Quirino Neto, ele se apresentou espontaneamente na 7ª Delegacia de Homicídios, em Paulista, na companhia dos advogados, e foi preso às 19h30.

Entenda o caso

Emelly chegou sem vida no Hospital de Nossa Senhora do Ó, em Paulista, no dia 22 de fevereiro. Na declaração de óbito de Emelly consta que a causa da morte foi "asfixia direta por esganadura" (veja vídeo acima).

De acordo com a família de Emelly, o ex-marido não aceitava a separação. O casal tem um filho de 2 anos.

Após o crime, peritos do Instituto de Criminalística (IC) realizaram uma perícia no apartamento dele e encontraram indícios de que houve luta no local.

Feminicídios no estado
Segundo a Secretaria de Defesa Social, dos 25 assassinatos de mulheres ocorridos em Pernambuco em janeiro de 2021, nove foram classificados como feminicídios, quando a mulher morre por sua condição de gênero.

No primeiro mês de 2020, 21 mulheres perderam a vida de forma violenta, sendo oito casos em que a polícia apontou o feminicídio como motivação do crime.

Do G1/PE

Social