Petrolândia Notícias: SINPOL-PE solicita interdição da Delegacia de Tacaratu, no Sertão

CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

SINPOL-PE solicita interdição da Delegacia de Tacaratu, no Sertão

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (SINPOL-PE)  protocolou junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT) no último dia (16),  a solicitação da interdição da Delegacia de Polícia de Tacaratu, no Sertão do estado.

A estrutura do prédio encontra-se em péssimas condições e já foi condenada por engenheiros, oferecendo sérios riscos aos policiais e à população.  As paredes se encontram com mofos, goteiras e infiltrações. Sem contar que os mesmos trabalham em um espaço pequeno, dividido com motocicletas apreendidas, apenas um alojamento para ser dividido entre homens e mulheres, colchões sujos e antigos, geladeira sem tampa de congelador, onde a água fica congelada e imprópria para consumo, dentre outras condições insalubres.

“Tomamos conhecimento que pedaços de reboco se soltam das paredes, caindo nos policiais, e os gazes que saem das motocicletas contaminam todo o ambiente. Todos saem do plantão passando mal. Durante a noite, os policiais relatam que ratos vivem passando pelo forro e pelo chão", relatou o Presidente do SINPOL-PE, Rafael Cavalcanti.

Ao todo seis policiais civis trabalham no local, sendo um delegado em exercício cumulativo, dois agentes,  dois comissários e um escrivão.  O SINPOL-PE tomou conhecimento de que a  Secretaria de Defesa Social (SDS) se comprometeu na mudança do local da  delegacia, porém até o momento não foi realizada. Com o imóvel condenado, foi feita uma reforma “meia-boca”, cujos problemas não foram solucionados e voltaram com o tempo.

O SINPOL-PE repudia veementemente esse tipo de situação  e irá buscar, com todos os meios possíveis, a interdição do local e o fornecimento de condições mínimas para os policiais, não só de Tacaratu, mas de todo o Estado poderem  exercer suas funções.











Por ASCOM/SINPOL-PE

Social