Petrolândia Notícias: Fim do auxílio emergencial põe em risco estabilidade da popularidade de Bolsonaro

CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CODIGO ADSENSE SITE RÁPIDO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

Fim do auxílio emergencial põe em risco estabilidade da popularidade de Bolsonaro


O auxílio emergencial chega ao fim no Brasil colocando em xeque não apenas o futuro de milhares de brasileiros que necessitam do benefício para a sua subsistência, mas também o do presidente da República, que terá que se desdobrar para não perder popularidade após o encerramento do abono assistencial. No início da pandemia, a aprovação de Jair Bolsonaro (sem partido) ensaiou uma ligeira queda, mas depois que os R$ 600 do auxílio começaram a ser disponibilizados, o número de pessoas que consideravam o seu governo “ótimo” ou “bom” voltou a subir. No último dia 16, por exemplo, o Ibope divulgou que 35% da população aprova a administração do capitão da reserva.

Analistas políticos no entanto avaliam que esse cenário pode mudar após o pagamento da última parcela do auxílio. Na visão dos especialistas, caso a tendência de piora dos indicadores econômicos do País se confirme com o fim do benefício, a população, sobretudo aquela que possui renda mais baixa, não estará tão propensa a apoiar a administração de Bolsonaro como em 2020.

 “O fim do auxílio, a partir do ano que vem, vai revelar a faceta cruel da crise pós-coronavírus. A economia provavelmente vai sofrer muito, o Brasil vai ter desemprego, muitas empresas vão fechar. Haverá também uma tremenda crise social e humana. Mas me parece que o presidente não se preocupa com isso. A preocupação dele é política, porque as pessoas que hoje aprovam o governo e recebem o benefício, mais adiante estarão mais susceptíveis a um discurso que apresente a falta de resultados do presidente, especialmente com relação à vacina e ao número de mortos com a pandemia”, observou o cientista político Rodrigo Prando, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Mas o que Bolsonaro – que atualmente tem um pé fincado na administração do País e outro na campanha presidencial de 2022 – pode fazer diante desse cenário? Que ações poderiam ser desenvolvidas pelo presidente neste contexto? Em dezembro de 2019, meses antes da confirmação do primeiro caso de covid-19 no Brasil, Bolsonaro disse que iria reformular o programa Bolsa Família, mudando o seu nome para Renda Brasi. A ideia passou alguns meses longe do radar do governo e ressurgiu em junho deste ano, como um meio de ampliar a assistência social do País após a pandemia de covid-19. De lá pra cá, a iniciativa mudou de nome para Renda Cidadã, foi objeto de várias discussões, mas sem meios para realizar o seu financiamento, acabou não indo adiante.

O FATOR CÂMARA

Para Antônio Lucena, cientista político da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), a reação de Bolsonaro diante de uma possível queda na sua popularidade depende de uma série de variáveis, mas a principal delas é a sucessão de Rodrigo Maia (DEM) na presidência da Câmara dos Deputados. “A eleição na Câmara poderá dizer muito sobre o futuro de Bolsonaro a partir de 2021. Se o candidato dele ganhar, o Arthur Lira (PP), existe a possibilidade de que ele consiga alguns progressos. Hoje, Rodrigo Maia defende uma pauta liberal, alinhada com a do Ministério da Economia, mas tem atuado como uma espécie de anteparo aos desmandos de Bolsonaro. Ou seja, se o presidente ganhar o controle da Câmara, ele terá uma vida um pouco mais fácil”, defendeu o docente.

Ernani Carvalho, cientista político da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), corrobora com a visão de Lucena. Segundo o analista, ainda que o orçamento da União não comporte a criação de um programa como o Renda Cidadã – que ampliaria o montante recebido mensalmente por beneficiários do Bolsa Família – e existam impedimentos constitucionais que impedem o chefe do executivo de exceder o teto de gastos, o alinhamento do governo federal com o presidente da Câmara em um cenário de crise poderia criar as condições necessárias para que essa regra fosse flexibilizada.

“Com a estabilidade para trabalhar em conjunto com o Legislativo, a criação do Renda Cidadã fica mais próxima, mais crível, inclusive com a possibilidade de flexibilização do teto de gastos, coisa que não agrada ao ministro da Economia e a boa parte da sua equipe. Em um ano pós-pandêmico, porém, com a cobertura social prejudicada por desemprego e outros fatores, é possível que a sanha por conter gastos por parte do Estado e, consequentemente, conter a dívida pública, seja arrefecida”, argumentou Carvalho.

Via PE Notícias

Social