Trending


CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CODIGO ADSENSE SITE RÁPIDO

Social



quarta-feira, 4 de novembro de 2020

Zé Dirceu quer união da esquerda para derrotar bolsonarismo nos municípios


Em carta enviada pelas redes sociais à militância petista, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu fala em necessidade de alinhamento da esquerda nas eleições para derrotar o bolsonarismo. O primeiro turno do pleito municipal irá ocorrer no próximo 15 de novembro e o segundo, onde houver, no dia 29.

“Sabemos que não avançaremos sem alianças e sem unidade da esquerda, assim no segundo turno o foco é unidade para derrotar o bolsonarismo e eleger prefeitos de esquerda em todo Brasil”, escreve Dirceu, pedindo empenho da militância na reta final da campanha.

No início do texto, ele coloca que o fim das coligações proporcionais e a cláusula de barreira conduziram os partidos de esquerda para candidaturas próprias. “Nem sempre fomos capazes de compor chapas unitárias como em Porto Alegre, Belém e Florianópolis e em centenas de outras cidades”, escreve ele, ponderando que podem ser firmadas alianças no segundo turno.

As pesquisas apontam que candidatos de esquerda estão na liderança em Porto Alegre, com Manuela D’Ávila (PCdoB), e em Belém, com Edmilson Rodrigues (Psol). Em Florianópolis, Gean Loureiro (DEM) tem 58% das intenções de voto na disputa eleitoral de 2020, segundo aponta pesquisa Ibope. Ele é seguido pelo Professor Elson (Psol), com 13%.

“Agora não é hora de balanços nem recriminações, muito menos de divisão, é hora de lutar como a militância tem feito”, completa. A autoria da mensagem foi confirmada pela assessoria de Dirceu.

Ministro da Casa Civil durante o primeiro governo Lula, Dirceu é um dos principais nomes do petismo. Em 2012 foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) pelo crime de corrupção ativa, sendo preso em novembro de 2013 e, quase um ano depois, liberado para cumprir o restante de sua pena em casa. Em 2015, voltou a ser preso por participação no esquema do Petrolão. No ano seguinte, foi indiciado pela terceira vez na Operação Lava Jato, desta vez por crimes de corrupção ativa, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Somadas, as condenações ultrapassam os 30 anos.

Via Blog PE Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!