Trending


CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CODIGO ADSENSE SITE RÁPIDO

Social



quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Pernambuco tem maior consumo de comidas ultraprocessadas e de refrigerantes no Nordeste, diz IBGE


Os pernambucanos são os maiores consumidores de refrigerantes e de alimentos ultraprocessados em todo o Nordeste. Além disso, a realização de atividades físicas no lazer está abaixo da média nacional. Essas informações fazem parte de uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019: “Percepção do estado de saúde, estilos de vida, doenças crônicas e saúde bucal” foi feita a partir de um trabalho realizado com o Ministério da Saúde. As equipes coletaram os dados entre 26 de agosto de 2019 e 13 de março de 2020.

Sobre o consumo de produtos ultraprocessados, o IBGE apontou que esse hábito alimentar é adotado por 11,9% da população pernambucana, contra 8,8% da média regional. No Brasil, a média é de 14.3%.

O percentual sobe entre os jovens de 18 a 24 anos e fica em 23%. Além disso, 10,7% dos habitantes do estado relataram consumo excessivo de sal.

Em relação ao consumo de refrigerantes, 7,3% dos pernambucanos tomavam a bebida cinco ou mais vezes por semana, contra 5,2% da média regional. No Brasil, o índice é ainda mais alto: 9,2%.

Os sucos de caixinha, em lata ou em pó são utilizados por 6,8% da população do estado, a mesma média da região.

Ainda de acordo com o IBGE, a pesquisa abordou o consumo regular de bolos, tortas, chocolates, gelatinas, balas, biscoitos ou bolachas recheadas, em cinco dias ou mais na semana.

No estado, 13,9% dos habitantes se enquadravam nessa situação. O resultado fica acima da média nordestina (11,8%), mas abaixo do Brasil (14,8%).

Quanto mais jovem a faixa de idade, maior é a compra de guloseimas: 24,5% dos pernambucanos de 18 a 24 anos comiam frequentemente, ao menos um desses produtos, contra 9,6% dos idosos.

O Recife é a terceira capital brasileira com os maiores índices (18,8%), atrás apenas de Porto Alegre (RS) e São Paulo (SP).

Via PE Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!