Petrolândia Notícias: Sindicato entra com ação na justiça para impedir volta às aulas em PE

CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CODIGO ADSENSE SITE RÁPIDO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

domingo, 4 de outubro de 2020

Sindicato entra com ação na justiça para impedir volta às aulas em PE


Sala de aula de escola estadual - Foto: Arthur Mota/Arquivo Folha

O Sindicato dos professores de Pernambuco (Sinpro) entrou, na última sexta-feira (2), na justiça contra o retorno das aulas presenciais no estado, previsto para a próxima terça-feira (6). De acordo com o sindicato, o retorno das aulas presenciais, autorizado pelo Governo do Estado, atende exclusivamente a interesses empresariais, "em detrimento da saúde e da proteção da vida da comunidade escolar", diz a nota divulgada pelo Sinpro. 

Em nota, o sindicato afirma que a ação foi movida para "preservar o mais importante de todos os direitos, a vida". "O sindicato, além das alegações mais gerais acerca do fato, também aponta que as experiências ocorridas em outros estados vêm mostrando o quanto esse retorno não é viável ao povo e o poder público tem por obrigação, proteger as pessoas dessa pandemia", diz a nota. 

Na última quarta-feira (30), os professores da rede estadual de Pernambuco declararam greve após a realização de uma assembleia virtual que, segundo o Sintepe (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco), contou com mais de 1.500 participantes, entre eles professores e professoras, servidores administrativos e analistas da educação da Rede Pública Estadual de Pernambuco. A paralisação deve ser deflagrada oficialmente na segunda-feira (5), por meio da realização de outra assembleia. 

De acordo com o Sintepe, um relatório assinado por médicos com PHD nas áreas de Epidemiologia e Medicina Social foi apresentado ao Governo do Estado. No relatório, fatores como a a "interiorização da disseminação do vírus e a concentração do maior número da assistência especializada e de hospitais na capital" são citados como argumentos contrários à retomada das atividades escolares.

Por Folha de Pernambuco, com informações de Fábio Nobrega

Social