CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CODIGO ADSENSE SITE RÁPIDO

sábado, 13 de junho de 2020

Projeto social distribui testes de coronavírus e alimentos para comunidades do Sertão de Pernambuco

O projeto Miséria que Habita, em parceria com o Ciranda Sertaneja, vai realizar, na sexta-feira (12), testagem gratuita de exame rápido de Covid-19 nos moradores da área rural de Inajá, no Sertão de Pernambuco, além da entrega de cestas básicas a partir das 9h.
O projeto nasceu no Rio de Janeiro, com a primeira ação realizada no Retiro dos Artistas. “Miséria que Habita” conta o apoio de artistas como Maria Casadevall, Luiza Brunet, Karina Ramil, Eduardo Pelizzari, Marina Lima, os Jornalistas Celso Zucatelli e Fábio Ramalho.
Com a crescente do número de casos fatais do vírus, o projeto viu a necessidade de colaborar com um diagnóstico rápido nas áreas com menor índice de salubridade. O Ministério da Saúde anunciou a distribuição de aproximadamente 23 milhões de testes para agentes da saúde e segurança e outros 14,9 milhões para pacientes internados em estado grave.
“Ainda que todos esses testes sejam distribuídos, muita gente ainda vai ficar sem saber se está infectado ou não, dando prosseguimento à disseminação do vírus”, reflete o fotógrafo e organizador do projeto.
Diversos estados brasileiros já foram beneficiados através de outras ações do projeto como a captação de recursos e registros fotográficos, que tem parceria institucional com a ONU Habitat – Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos. Diante da necessidade de isolamento social e higiene pessoal impostos pelo novo coronavírus, todas as frentes do projeto decidiram agir imediatamente.
Através de campanha realizada nas redes sociais, a iniciativa arrecadou cerca de 1 mil cestas básicas e kits de higiene. Os itens foram distribuídos para aproximadamente 600 famílias que vivem em locais como a favela do Cantão no Bairro Cristal em Porto Alegre (RS), Jardim Peri (SP), a favela da Rocinha (RJ) e os trabalhadores que dependem do lixão da cidade de Codó (MA).
De acordo com Henrique de Campos, fotógrafo e documentarista brasileiro idealizador do Miséria que Habita, o projeto já atuava nessas comunidades categorizando os diferentes graus de miséria, suas peculiaridades geográficas, além de captar fundos para impactar de maneira sustentável cada um desses ambientes.
“O objetivo do Miséria que Habita é servir como um piloto para que outras instituições maiores, até mesmo governos, percebam que muito se pode fazer com menos investimento financeiro, quando este é substituído por atenção”, destaca.
A campanha de arrecadação que levanta fundos para a compra de alimentos e produtos de higiene contra o covid-19 ainda está no ar. Henrique de Campos alerta para a necessidade de manter as doações ativas: “nós somos muito gratos por todos que ajudaram até agora, mas a necessidade por alimentos é permanente, e não podemos parar de atender essas pessoas”.
Como você pode ajudar
Para ajudar e acompanhar as ações, os interessados podem acessar o Instagram @miseriaquehabita ou o site que arrecada as doações. O projeto também está no Facebook.
Via PE Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!