CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CODIGO ADSENSE SITE RÁPIDO

terça-feira, 2 de junho de 2020

Manifestos pró-democracia buscam clima de Diretas Já após ataques de Bolsonaro


Presidente Jair BolsonaroFoto: Marcos Corrêa/PR

Uma profusão de manifestos em favor da democracia após ataques do presidente Jair Bolsonaro a instituições tomou as redes sociais e as páginas de jornal nos últimos dias, buscando recriar um certo clima de Diretas Já.

Se a comparação com o movimento de 1984 ainda pode soar um tanto exagerada, há um paralelo evidente entre os dois momentos. O principal, a união de adversários ideológicos contra um inimigo comum, associado ao autoritarismo. Em geral, contudo, não há defesa explícita do afastamento do presidente.

A maior iniciativa é o Movimento Estamos Juntos, lançado no sábado (30) e que resgata a cor amarela –símbolo no Diretas Já. No fim de semana, arrebanhou assinaturas online ao ritmo de 8.000 por hora, e já reunia mais de 150 mil no domingo (31). "Como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum", diz o texto.

A lista de signatários vai de apoiadores do socialismo a defensores do Estado mínimo. Os manifestantes afirmam representar mais de dois terços da população, referindo-se ao apoio de cerca de 30% a Bolsonaro registrados em pesquisas do Datafolha e outros. Há até mesmo um movimento chamado "Somos 70 porcento", que ganhou as redes sociais.

No entanto, entre os nomes mais reconhecíveis, parecem raros os conservadores e dissidentes do bolsonarismo –o músico Lobão é um deles. O texto não cita o presidente, mas manda recado a ele ao cobrar respeito à Constituição e à separação dos Poderes.

Uma das apoiadoras, a socióloga Maria Victoria Benevides, tem larga experiência em outras mobilizações. Em abril de 1984, participou de uma foto histórica no topo do prédio do jornal Folha de S.Paulo, no centro de SP, em que 61 personalidades pediam eleições diretas.

"Estávamos numa situação de quem está saindo de uma ditadura e agora nosso medo é estarmos entrando numa. Por isso que é mais fácil essa união de tucanos com petistas e o PDT, ou economista ortodoxos que se aliam a outros de esquerda", afirma.

Benevides, que é membro da Comissão Arns de Direitos Humanos, diz ter assinado incontáveis manifestos no passado e nota uma diferença para os dias atuais.
"Antigamente eu conhecia todo mundo. Hoje participo com gente que nem conheço, ou gente que eu vejo e digo: 'puxa, nunca pensei que essa pessoa poderia estar assinando um manifesto junto comigo'."

Outro que figura na foto de 1984, o economista e ex-ministro Luiz Carlos Bresser Pereira também assinou o novo manifesto. "O Brasil tem uma democracia consolidada, mas um presidente psicopata que a está ameaçando diariamente com palavras e atos", diz.

Defensor do impeachment, Bresser afirma que a importância de manifestos e abaixo-assinados é mostrar a deputados que o afastamento do presidente é possível.

Neste domingo (31), outro manifesto surgiu, voltado ao meio jurídico. Com o título de Basta!, reúne cerca de 720 profissionais do direito. "O Brasil não pode continuar a ser agredido por alguém que, ungido democraticamente ao cargo de presidente da República, exerce o nobre mandato que lhe foi conferido para arruinar com os alicerces de nosso sistema democrático", afirma.

Uma das apoiadoras, a advogada e professora da FGV Flávia Rahal diz que o manifesto reúne "vozes em defesa da democracia". "Esse e os outros manifestos são a união de pessoas que podem ter posturas ideológicas diferentes, mas veem na manutenção da democracia a peça principal para o respeito à Constituição e às instituições", afirma.

Chama a atenção, segundo ela, a velocidade com que esses documentos têm obtido apoio. "Em pouco tempo reuniram muita gente. Isso mostra um desejo das pessoas de saírem da inércia e agirem pelo respeito à democracia."

O fato de a crise ocorrer em meio à pandemia do coronavírus torna mais fácil reunir apoios online, já que manifestações de rua ou em ambientes universitários não são opção.


Isso pode ajudar a explicar a multiplicação de iniciativas. No sábado (30), outro documento com expoentes do direito teve 170 assinaturas em defesa de que as Forças Armadas respeitem a Constituição.

Houve ainda outros posicionamentos, como o do Colégio de Presidentes de Tribunais de Justiça, que se manifestou em defesa do STF (Supremo Tribunal Federal) na última sexta (29).

Na quinta (28), um manifesto assinado por 535 integrantes do Ministério Público Federal defendeu emenda obrigando o presidente a escolher para a Procuradoria-Geral da República nome a partir de lista tríplice. O atual PGR, Augusto Aras, não fez parte da lista e é visto por parte dos procuradores como pró-Bolsonaro.

Também houve manifestos recentes de caráter setorial, em áreas como meio ambiente e relações exteriores. Para José Carlos Dias, ex-ministro da Justiça no governo FHC e presidente da Comissão Arns, é preciso consolidar uma maioria de democratas, mesmo levando em conta que um terço da população segue apoiando o presidente.

A última pesquisa Datafolha mostrou que 43% consideram o governo ruim ou péssimo, recorde na gestão, mas a aprovação a Bolsonaro seguia em 33%.

"Temos que ter união. As forças democráticas de várias tendências políticas devem estar presentes neste momento, como nas Diretas, em que subiram no mesmo palanque Tancredo, Ulysses, Fernando Henrique e Lula", diz.

Em 17 de maio, a Comissão Arns defendeu em texto na Folha de S.Paulo a saída de Bolsonaro. "Ao semear a intranquilidade, a insegurança, a desinformação e, sobretudo, ao colocar em risco a vida dos brasileiros, o seu afastamento do cargo se impõe", disse.

Segundo Dias, o novo vale do Anhangabaú, ao menos enquanto durar a pandemia, são as redes sociais. "Temos que atuar em defesa da imprensa livre, das instituições e da liberdade. Somos muitos."

A razão para a ojeriza a Bolsonaro, dizem os apoiadores dos manifestos, vem do que se poderia caracterizar como "conjunto da obra", que reúne ataque a instituições e menosprezo ao coronavírus.

"A gente concorda em poucas coisas, mas nesse momento estamos unidos no fundamental. Não é possível a continuidade de um governo que promove a morte", diz Douglas Belchior, da Uneafro Brasil e da Coalizão Negra por Direitos.

Por: Fabio Zanini, da Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!