CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Chineses são detidos com mais de 2,7 mil materiais piratas no Centro do Recife

Materiais foram apreendidos no Centro do Recife/Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco

Três chineses foram detidos em flagrante com mais de 2,7 mil itens de materiais eletrônicos piratas no bairro de São José, no Centro do Recife. As prisões ocorreram na terça-feira (26) e foram divulgadas nessa quarta-feira (27) em coletiva de imprensa da Polícia Civil de Pernambuco.

Segundo a corporação, Yimei Wu, Xin Bing Chen e Kun Gui foram autuados por fraude no comércio, receptação qualificada, crime contra as marcas, crime de concorrência desleal e crime contra a saúde pública no âmbito da Operação Papai Noel, responsável por fiscalizar o comércio durante as festas de fim de ano.

O trio foi encaminhado à Central de Plantões da Capital (Ceplanc), no bairro do Campo Grande, na Zona Norte do Recife, e liberado após audiência de custódia realizada no Fórum do Recife na quarta-feira de acordo com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Os chineses precisarão cumprir medidas cautelares e pagar fiança de dez salários mínimos.

De acordo com o delegado Breno Maia, titular da Delegacia da Rio Branco, as lojas são regularizadas e possuem inscrição estadual. Ele ainda detalhou como a polícia localizou os suspeitos. "Recebemos uma notícia-crime de um escritório que representa uma marca de produtos que foram apreendidos e começamos a investigar algumas lojas. Essa notícia dava conta de uma loja que comercializava esses produtos e passamos a investigar outras. Então fizemos um levantamento das marcas para precisar os respectivos proprietários da lojas", detalhou o delegado.

Entre os itens eletrônicos apreendidos estavam caixas de som, carregadores e fones de ouvido. As lojas não comercializavam apenas os produtos contrafeitos, mas também originais. "Os produtos estavam expostos para todos os consumidores que passassem pelas galerias no Centro da Cidade e com embalagens semelhantes às originais. Assim, os consumidores eram levados ao erro. Esses produtos não possuíam notas fiscais. Alguns dos autuados até falaram que tinham as notas, mas não as apresentaram", acrescentou Breno Maia.

Os laudos que atestam a origem irregular dos produtos foram produzidos pelo Instituto de Criminalística. "Os comerciantes afirmaram que os produtos são de São Paulo. Esses laudos dão possibilidade da polícia falar que são produtos piratas", continuou o delegado. Somadas, as penas dos crimes cometidos podem ser de até 20 anos de prisão.

"A Operação Papai Noel continua. É uma demanda da SDS para intensificar o combate à pirataria, furto de energia elétrica e outros crimes. Certamente vamos ter outras prisões até o fim do ano", finalizou Breno Maia. Os produtos apreendidos pela operação serão encaminhados à destruição após autorização judicial.

Por: Portal FolhaPE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!