CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

sábado, 15 de junho de 2019

Em novo diálogo vazado, Moro orienta força-tarefa da Lava Jato a contestar na imprensa depoimento de Lula

Novos trechos de conversas vazadas entre o ministro Sergio Moro e procuradores da força-tarefa da Lava Jato divulgados pelo site The Intercept Brasil na noite desta sexta-feira reforçam a proximidade entre o então juiz do caso com os acusadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela operação. Na conversa obtida pelo site, Moro orienta o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima a “editar uma nota esclarecendo as contradições do depoimento” dado por Lula no processo do triplex do Guarujá “com o resto das provas ou com o depoimento anterior dele”. “Por que a Defesa já fez o showzinho dela”, afirmou Moro.

A divulgação de novos trechos vazados das conversas entre os procuradores e o atual ministro da Justiça de Jair Bolsonaro acontece no mesmo dia em que o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma entrevista com Moro. Nela, o ex-juiz se pronunciou sobre o vazamento do primeiro lote de conversas pelo site, no último domingo e na quarta-feira, e disse não ver “ilicitude” no que foi divulgado. “Se quiserem publicar tudo, publiquem. Não tem problema”, desafiou ele, diante da promessa do site de que havia mais conteúdos “bombásticos” do material entregue ao site por uma fonte anônima.

As novas conversas divulgadas aconteceram na noite de 10 de maio de 2017, dia em que o ex-presidente compareceu diante de Moro para prestar esclarecimentos sobre o processo do triplex do Guarujá, que gerou sua primeira condenação por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Às 22h04, segundo o The Intercept Brasil, Moro pegou o telefone e digitou uma mensagem para Santos Lima, em que perguntou o que o promotor havia achado do encontro. “Achei que ficou muito bom. Ele começou polarizando conosco, o que me deixou tranquilo. Ele cometeu muitas pequenas contradições e deixou de responder muita coisa, o que não é bem compreendido pela população. Você ter começado com o triplex desmontou um pouco ele”, disse o procurador. “A comunicação é complicada pois a imprensa não é muito atenta a detalhes”, respondeu Moro.

Logo depois, o juiz afirma: “Talvez vcs devessem amanhã editar uma nota esclarecendo as contradições do depoimento com o resto das provas ou com o depoimento anterior dele”. Na mensagem seguinte, justificou: “Por que a Defesa já fez o showzinho dela”. O procurador respondeu, então: “Podemos fazer. Vou conversar com o pessoal.” 

Segundo o site, Santos Lima copiou, em seguida, o diálogo que teve com Moro em um chat privado com o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol. Paralelamente, em um grupo de troca de mensagens entre os procuradores, os membros da força-tarefa já discutiam a possibilidade de comentar publicamente o depoimento de Lula. Santos Lima alertou, Dallagnol que havia enviado a ele uma mensagem privada. Três minutos depois, o coordenador da Lava Jato justificou publicamente no grupo a divulgação da possível nota: “Temos que avaliar os seguintes pontos: 1) trazer conforto para o juízo e assumir o protagonismo para deixá-lo [Sergio Moro] mais protegido e tirar ele um pouco do foco; 2) contrabalancear o show da defesa.” Depois, seguiu: “E o formato, concordo, teria que ser uma nota, para proteger e diminuir riscos. O JN [Jornal Nacional] vai explorar isso amanhã ainda. Se for para fazer, teríamos que trabalhar intensamente nisso durante o dia para soltar até lá por 16h”, ressaltou.

Dallagnol, então, mandou uma mensagem a outro grupo, que incluía a assessoria de imprensa do Ministério Público Federal. Ressaltou, novamente, as motivações para uma possível nota. “As razões para eventual manifestação são: a) contrabalancear as manifestações da defesa. Vejo com normalidade fazer isso. Nos outros casos não houve isso. b) tirar um pouco o foco do juiz que foi capa das revistas de modo inadequado”. Um dos assessores de imprensa tentou demovê-lo. “Mudar a postura vai levantar a bola pra outros questionamentos”, justificou.

No dia seguinte, os procuradores divulgaram uma nota, em que expunham contradições do depoimento de Lula. Na mesma noite, Dallagnol enviou outra mensagem a Moro, em que abordava, novamente, a manifestação. “Informo ainda que avaliamos desde ontem, ao longo de todo o dia, e entendemos, de modo unânime e com a Ascom [assessoria de comunicação], que a imprensa estava cobrindo bem contradições e que nos manifestarmos sobre elas poderia ser pior. Passamos algumas relevantes para jornalistas. Decidimos fazer nota só sobre informação falsa, informando que nos manifestaremos sobre outras contradições nas alegações finais”, destaca o The Intercept Brasil.

Crise de imagem

A divulgação das mensagens pelo The Intercept Brasil no último domingo causou um abalo à imagem do ex-juiz da Lava Jato, que hoje ocupa a pasta da Justiça de Bolsonaro. Desde que aceitou o cargo para o novo Governo, ele é acusado por opositores de ter atuado para evitar a eleição de Lula. O ex-presidente, condenado em segunda instância pelo caso do triplex, ficou impossibilitado de concorrer às presidenciais em outubro passado. Lula era o primeiro colocado nas pesquisas. Bolsonaro, o azarão na disputa, acabou vencendo. O ex-presidente cumpre sua pena de 8 anos e 10 meses em Curitiba.

Segundo pesquisa do Atlas Político, mais de 70% dos entrevistados tiveram conhecimento da reportagem do site com os diálogos entre Moro e Dallagnol. Segundo o levantamento, os diálogos fizeram com que ele perdesse parte de seu capital político, mas seguia sendo o político mais popular do país, por conta de sua atuação na operação que revelou um enorme esquema de corrupção no Brasil. Os diálogos já mostravam que o ex-juiz mantinha uma intensa conversa privada com o coordenador da força-tarefa, que investigava políticos suspeitos de corrupção, entre eles Lula. As trocas de mensagem eram via aplicativo Telegram e possuíam orientações, broncas, elogios e até dicas de fontes que a força tarefa deveria ouvir. A proximidade entre ambos fere princípios constitucionais e do Código Penal Brasileiro, ressaltaram juristas.

Após a divulgação dos diálogos, Bolsonaro demorou a se manifestar sobre as revelações referentes a seu superministro. Falou quatro dias depois e minimizou a troca de mensagens. “O que ele fez não tem preço. Ele realmente botou para fora, mostrou as vísceras do poder, a promiscuidade do poder no tocante à corrupção”, afirmou.

Via PE Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!