CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

sábado, 1 de junho de 2019

Caixa prepara operação para saques do FGTS

Anunciada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como uma forma de reativar o consumo após a aprovação da reforma da Previdência, a operação para liberar recursos de contas inativas do FGTS já começou a ser desenhada pela Caixa. De acordo com a coluna Painel, da Folha, a estimativa otimista indica que os saques podem alcançar até R$ 30 bilhões em prazo relativamente curto: três meses. Se o calendário político se confirmar, e as novas regras de aposentadoria forem aprovadas em setembro, o dinheiro extra estaria na praça até o Natal. 

Ainda segundo a coluna, integrantes da equipe econômica afirmam que, de acordo com a experiência adquirida no governo Michel Temer, a execução dos pagamentos pode ser efetivada rapidamente. A partir da ordem de Guedes, seria possível viabilizar em questão de semanas a liberação do dinheiro para os primeiros cotistas do fundo. O plano atual prevê repetir a fórmula adotada em 2017 –com desembolsos feitos em etapas. Nomes que integraram a gestão Temer dizem que, para conseguir liberar R$ 30 bilhões, o governo terá que “raspar o tacho” do saldo do FGTS de trabalhadores que saíram do emprego a partir de 2016 e ainda avançar sobre as contas ativas. O montante almejado representa quase 0,5% do PIB.

Como a demanda está fraca, esses técnicos acreditam que a liberação de uma pequena parcela das contas ativas do FGTS não levará à falta de recursos para financiar os setores imobiliário e de infraestrutura, que usam verbas do fundo. O único alerta para o atual governo –e Guedes já indicou que sabe disso– é o de que este botão só deve ser acionado após a reforma. Antes, seria jogar dinheiro fora. 

Cresce o número de especialistas que alertam que chegou a hora de a equipe econômica ampliar a cartela de planos para reaquecer a economia. Adriano Pires é categórico ao dizer que só a reforma da Previdência não vai tirar o país do atoleiro. “O Brasil precisa de uma agenda que crie investimentos, empregos e competitividade, uma agenda capaz de reverter essa desilusão com o crescimento do PIB. O caminho é a infraestrutura. Mas, para isso, precisa de estabilidade regulatória e segurança jurídica, coisa que não está acontecendo”, diz Pires.

Via O Povo com a Notícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!