CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Latam teme fim da Avianca, que deve terminar o mês com apenas 5 aviões

Até o fim da próxima semana, a Avianca Brasil deverá ter sua frota reduzida das atuais 26 aeronaves para 5. Nos últimos dias, a empresa já perdeu dez aviões após as arrendadoras dos jatos vencerem um embate judicial aberto por causa da inadimplência da companhia aérea. A situação da Avianca preocupa a Latam, que se comprometeu a ficar com parte dos ativos da concorrente endividada em um leilão marcado para 7 de maio. A apreensão decorre do risco de a Avianca não conseguir chegar à data operando.

“Queremos que ela (Avianca) esteja operando quando o leilão ocorrer, mas vejo um risco, sim (de isso não acontecer)”, disse Jerome Cadier, presidente da Latam.

No leilão, o certificado de operação da Avianca será transferido para as sete Unidades Produtivas Independentes (UPIs), que serão criadas com os ativos da companhia – basicamente as autorizações de pouso e decolagem (slots) nos aeroportos. Se a empresa não estiver operando, a transmissão desses certificados é inviabilizada.

Das UPIs que serão criadas, uma terá o programa de fidelidade da Avianca e o restante, entre 8 e 25 slots. Todas essas unidades já têm voos atingidos pelos cancelamentos feitos por causa da perda de aeronaves. Não se sabe, no entanto, qual o número mínimo de aviões que a Avianca precisa ter para manter a operação de cada UPI.

Caso a Avianca consiga sobreviver nas próximas semanas, precisará de nova injeção de capital para operar até a conclusão das vendas das UPIs, o que não acontecerá antes do início de junho. Serão necessários, no mínimo, 30 dias para a análise do negócio pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Segundo fonte próxima à Avianca, para funcionar, a companhia gasta entre R$ 5 milhões e R$ 6 milhões por dia. “A operação da empresa consome muito caixa. Desde que ela entrou em recuperação judicial (em dezembro), menos pessoas estão comprando passagem deles, o que piora a situação. Vão sair outros aviões (da frota da Avianca) nos próximos dias e ficará ainda mais complicado”, afirmou Cadier. “Qualquer prorrogação que se dá (no processo de recuperação judicial) é um risco a mais para o negócio (por causa da necessidade de mais dinheiro). Temos uma pressa tremenda.”

A Latam e a Gol já colocaram cada uma, US$ 13 milhões (R$ 51 milhões) na Avianca. Como a Latam, a Gol também se comprometeu a ficar com pelo menos uma das UPIs. Cadier afirma que a Latam poderá fazer o aporte extra na empresa em recuperação, mas não disse qual valor seria necessário. “Existe dúvida em relação a como a Avianca estará operando até o leilão”, disse. O Estadão apurou que a Gol também considera a possibilidade de injetar mais capital após o leilão.

Cade

Apesar da pressa para a conclusão do negócio, a Latam não entrou com pedido antecipado para que o Cade analisasse a incorporação da UPI. Segundo Cadier, a empresa estuda qual será a melhor abordagem, já que existe um risco de “sair sem nada” do leilão – caso alguma concorrente faça um lance maior.

A companhia, porém, já negocia com a Aircastle (arrendadora que conseguiu retomar a posse de dez aviões da Avianca neste semana) o aluguel desses jatos. “Estamos conversando desde janeiro, pois sabíamos que poderia haver aumento de demanda com a Avianca reduzindo seus voos (em decorrência da crise da empresa). Parte das aeronaves podem ficar aqui ou ir para outro país. A (operação da Latam na) Colômbia pode requerer (os aviões).”

Procurada, a Avianca Brasil não quis se pronunciar. Em nota, a Gol “reiterou o compromisso de participar do processo competitivo de aquisição de ativos da Avianca Brasil no modelo já aprovado” e informou que, caso haja qualquer mudança na estrutura do leilão, voltará a avaliar sua posição.

Via PE Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!