CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES ATUALZADO

JAQUES ATUALZADO

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Viagem à Venezuela provoca discussão entre Gleisi e Haddad durante reunião do PT


O candidato derrotado à Presidência da República Fernando Haddad e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann , tiveram um divergência motivada pela crise da Venezuela durante reunião da executiva nacional do partido realizada neste sábado, em São Paulo.

A situação do país vizinho é um dos temas que divide o PT no momento. O encontro foi realizado antes da festa de 39 anos da legenda, que acontece na noite deste sábado.

No dia 10 de janeiro, Gleisi foi à Venezuela para participar da posse de Nicolás Maduro para mais um mandato como presidente do país sul-americano. Em entrevista publicada no dia 19 de janeiro pelo jornal “El País”, Haddad disse “não saber o que levou Gleisi a ir para Caracas”.

Na reunião deste sábado, Valter Pomar, líder da corrente Articulação de Esquerda, cobrou Haddad sobre as críticas feitas a Gleisi na entrevista.

— Eu falei, mas você não leu o que eu respondi? Eu disse no El País que não participei da discussão e depois percebi que ninguém tinha participado e que eu recebi pela imprensa a informação. E que eu achava que aquela era uma questão delicada que tinha que ter passado pelas instâncias partidárias, disse Haddad, ao ser questionado sobre a discussão na saída da reunião.

Haddad afirmou que sua crítica tem como alvo o fato de a presidente não ter comunicado o partido sobre sua viagem.

— Estou falando de um protocolo que precisava ser observado. A conclusão podia ser essa (ir à posse de Maduro). Como se toma uma decisão num partido? Tem que ouvir as pessoas. Nem precisava me ouvir.

O candidato contou ter criticado também a forma como a presença de Gleisi foi comunicada.

—Minha crítica foi em relação à comunicação.

Durante a reunião, a presidente do PT apresentou sua divergência em relação a Haddad:

— Eu discordo dele. Não é só (uma questão) de método. Tem fundo político aí em relação a esse posicionamento. Acho que o PT tem que discutir, mas já temos um posição pública, que é a da defesa da auto-determinação dos povos, da soberania. Por isso, a gente tem a posição de não intervenção e de reconhecimento das eleições, afirmou a presidente do partido, na saída da reunião.

Neste domingo, no prosseguimento da reunião da executiva, o PT planeja fazer um debate sobre a situação da Venezuela. O jornalista Breno Altman, que esteve no país e defende Nicolás Maduro, fará uma exposição.

Na festa, críticas a Bolsonaro

Na festa de aniversário do PT, realizada na noite deste sábado na quadra do Sindicato dos Bancários, Haddad e Gleisi se saudaram e se abraçaram. Nos discursos, ambos defenderam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso em Curitiba desde abril do ano passado.

Também criticaram o presidente Jair Bolsonaro.

— Elegeram uma família que está mais enrolada em 30 dias do que esse partido em 39 anos, afirmou Haddad.

Via PE Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!