CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Na minha cabeça, Lula estava pagando a reforma, diz dono de sítio em Atibaia

Lula/Foto: Divulgação

Proprietário legal do sítio de Atibaia (SP), que era frequentado pelo ex-presidente Lula, o empresário Fernando Bittar declarou, em depoimento à Justiça Federal nesta segunda (12), que as reformas feitas na propriedade, para ele, estavam sendo pagas pelo petista e sua família -e não por empreiteiras.

"Eu imaginei que eles estavam pagando: a tia Marisa [Letícia, ex-primeira-dama] e o presidente Lula", afirmou.

Lula e outras 12 pessoas, inclusive Bittar, são acusadas de lavagem de dinheiro e corrupção na reforma do sítio, bancada pelas empreiteiras OAS e Odebrecht. Para o Ministério Público Federal, o local pertencia de fato ao ex-presidente.

Amigo da família desde a infância e sócio do filho do ex-presidente na Gamecorp, Bittar afirmou que as duas famílias "eram como se fosse uma só", e disse que deu "carta branca" para que a ex-primeira-dama reformasse o local.

Segundo ele, o sítio foi comprado com recursos próprios, e cedido a Lula para que guardasse o acervo presidencial, a partir de 2011.

"Pelo grau de relacionamento" entre as famílias, Bittar autorizou que fossem feitas reformas no sítio para abrigar o acervo -e, posteriormente, para melhorar as condições do local.

"Eu não precisava de obra. Eles iriam utilizar o sítio. Ou seja, eles que têm que arcar com a despesa dessa obra", disse.

De acordo com o proprietário, Lula e Marisa visitavam o sítio desde que Bittar o comprou, em 2010, mas passaram a frequentar o local com mais frequência a partir de 2012, quando o ex-presidente foi diagnosticado com câncer.

"Aí, houve uma inversão", declarou o empresário, segundo quem o sítio virou "um tormento" para ele. "Não tinha mais como eu frequentar."

Bittar disse que tentou vender o sítio para o ex-presidente, que queria comprá-lo, mas a venda não foi autorizada por seu pai.

Também prestaram depoimento nesta segunda o advogado Roberto Teixeira, que supervisionou as negociações de compra e venda do sítio, e o ex-funcionário do Planalto Rogério Pimentel, que era responsável pelo acervo presidencial.

Lula irá depor à juíza Gabriela Hardt, substituta de Sergio Moro, nesta quarta (14).

Via FolhaPE