CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

sábado, 24 de novembro de 2018

Julgamento de trio de canibais é adiado após advogado não comparecer ao tribunal no Recife

Trio de canibais foi condenado em 2014 pela morte de Jessica Camila, em Olinda — Foto: Anna Tiago/G1

O julgamento do trio conhecido como “Canibais de Garanhuns”, acusados de assassinar, esquartejar, consumir e vender carne humana dentro de salgados, foi adiado nesta sexta-feira (23). O advogado de um dos réus não compareceu ao tribunal e, com isso, o júri foi adiado para o dia 14 de dezembro.

Os três seriam julgados pelas mortes de Alexandra da Silva Falcão, 20 anos, e Gisele Helena da Silva, 31 anos, ocorridas em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco. A sessão estava marcada para o Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra, no Centro do Recife.

O trio já foi condenado anteriormente pela morte de Jéssica Camila da Silva Pereira, 17 anos, em maio de 2008.

O advogado de Jorge Beltrão Negromonte da Silveira não compareceu ao Fórum. O juiz Ernesto Bezerra Cavalcanti determinou, inicialmente, que apenas o julgamento de Jorge fosse adiado para o dia 14 de dezembro e que a Defensoria Pública fosse acionada para evitar um novo adiamento.

Os defensores de Isabel Cristina Pires da Silveira e Bruna Cristina Oliveira da Silva se retiraram do tribunal como forma de protesto e, sem a presença dos advogados, o juiz determinou também o adiamento do júri das duas.

Advogados se retiraram de sessão no Fórum Joana Bezerra, no Recife, nesta sexta-feira — Foto: Wagner Sarmento/TV Globo

O magistrado afirmou, ainda, que mandaria ofício à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ao Ministério Público de Pernambuco e ao Conselho de Magistratura devido a postura dos dois advogados de abandonar a sessão do júri.

"Pela plenitude de defesa, se faz necessário que o Jorge esteja presente. Ele é apontado não apenas pelas outras acusadas, mas pelo próprio delegado como mentor, mandante e executor de todos os crimes. Não há possibilidade de fazer um júri sem ele. Nossa defesa seria muito prejudicada", apontou Rômulo Lyra, defensor de Bruna.

Esse não é o primeiro adiamento de julgamento do trio pelos crimes cometidos em Garanhuns. Anteriormente, o advogado de Isabel pediu que o júri fosse transferido de comarca devido à comoção na cidade devido ao crime.

Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, Isabel Cristina Pires da Silveira e Bruna Cristina Oliveira da Silva são julgados por duplo homicídio triplamente qualificado - por motivo torpe, com emprego de cruel e impossível a defesa da vítima, além de ocultação e vilipêndio de cadáver e de furto qualificado.

Jorge Beltrão e Bruna Cristina respondem ainda por estelionato, sendo que Bruna será julgada também pelo crime de falsa identidade.

Família lamenta
O advogado Cláudio Cumaru, assistente de acusação contratado pela família de Gisele, lamentou o adiamento do julgamento.

"É com muita tristeza que recebemos esse adiamento. A família, há muito tempo, quer uma punição aos culpados. A família fica indignada. É com tristeza que vemos colegas abandonar o júri como manobra", apontou Cumaru.

Promotor do MPPE, André Rabelo é responsável pela acusação no julgamento do trio de canibais — Foto: Wagner Sarmento/TV Globo

Denúncia
Segundo a denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), as duas vítimas foram chamadas à casa de Jorge Beltrão Negromonte Silveira para ouvir a palavra de Deus ou para um trabalho de babá. Com a participação de Isabel Cristina Pires da Silveira e Bruna Cristina Oliveira da Silva, as mulheres foram mortas em 2012 e partes dos corpos foram armazenadas para consumo dos três acusados.

“Nesses dois casos, estão confirmadas a autoria e a participação dos três. Sem sombra de dúvida, cada um teve sua participação. Nessa seita criada pelo réu Jorge, havia uma determinação de que cada um iria cumprir um determinado papel na execução desses crimes”, afirma o promotor do MPPE, André Rabelo.

O representante do MPPE também contesta o argumento utilizado pela defesa no julgamento de 2014, de que os réus têm transtornos mentais. “Foram feitos laudos psiquiátricos por peritos oficiais do Estado, então não há dúvida nenhuma de que nenhum deles é portador de nenhuma doença mental. Existe, naturalmente, um transtorno de personalidade, afinal de contas ninguém mata pessoas e come partes de um ser humano”, declara o promotor.

Do G1/PE