CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Fraudes na Previdência de Orobó são alvo de operação


Foram emitidos seis mandados de prisão na operaçãoFoto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco

Uma organização criminosa voltada para fraudes contra o Instituto de Previdência do Município de Orobó (Ipreo), no Agreste de Pernambuco, é o alvo da Operação Anticorrupção, deflagrada pela Polícia Civil de Pernambuco nesta quarta-feira (7). O juiz da Comarca de Orobó, Daniel Silva Paiva, emitiu seis mandados de prisão e seis mandados de busca e apreensão domiciliar contra o grupo. As fraudes, segundo o promotor do Ministério Público, Rodrigo Altobello, são de pelo menos R$ 2,6 milhões.

Segundo a Polícia Civil, a quadrilha é investigada por crimes de corrupção contra a administração pública, peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. "Pelas investigações que tivemos acesso, tratava-se de uma organização constituída há pelo menos três anos, que utilizava valores vindos em benefício do instituto e desviavam em favor tanto do presidente [do instituto] quanto de amigos próximos", explicou o promotor.   

O presidente do instituto era quem escolhia os beneficiários irregulares. "Eram incluídos beneficiários que sequer têm idade para ser aposentados com valores que destoavam dos demais, de R$ 15 mil a R$ 25 mil", acrescentou Altobello. Investigações comprovaram que os envolvidos no esquema eram todos amigos e costumavam postar fotos em redes sociais de viagens e passeios que faziam juntos.

"Com base nas investigações e notícias que alguns investigados estavam se desfazendo de provas, pedimos prisão e busca e apreensão, além de quebra de sigilo bancário e fiscal. Vamos investigar se esse valor é maior ou não, o buraco pode ser maior", finalizou o promotor.

As investigações da operação tiveram início em agosto deste ano sob a presidência do delegado da 16ª Delegacia Seccional, Paulo Gondim, e contaram com a supervisão do Ministério Público de Pernambuco, através da Promotoria de Justiça de Orobó, e da Chefia de Polícia Civil. 

Via FolhaPE