CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Bolsonaro anuncia Ernesto Araújo no ministério das Relações Exteriores


O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou na tarde desta quarta-feira (14), o embaixador Ernesto Araújo como seu futuro ministro das Relações Exteriores. Bolsonaro usou sua conta oficial no Twitter para o anúncio.

“Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores”, escreveu o presidente eleito. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”.

“A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores”. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) November 14, 2018

Araújo é diretor do Departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Ele concorria ao cargo com outros nomes, entre eles, Marcos Galvão, atual secretário-geral das Relações Exteriores. Durante a campanha, o diplomata criou um blog defendendo as ideias do então candidato do PSL.

Bolsonaro já havia indicado que escolheria um diplomata de carreira para a vaga. O anúncio vem após declarações do presidente eleito terem gerado reações de parceiros comerciais do Brasil. Na semana passada, o governo do Egito adiou, sem previsão de nova data, uma visita oficial que o atual chanceler brasileiro, Aloysio Nunes, faria ao país no último fim de semana. O cancelamento foi uma resposta à intenção de Bolsonaro de mudar a embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém. 

A mudança, caso concretizada, significaria um alinhamento brasileiro com Israel e o abandono de uma posição de equilíbrio mantida por décadas pelo Itamaraty. Os países árabes, quinto maior destino das exportações brasileiras, apoiam a Palestina e deixaram clara sua discordância com a medida. 

Com informações do Estão Conteúdo.