CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

New York Times diz que Bolsonaro é escolha triste para democracia


O jornal americano "New York Times" destacou em editorial que a ascensão do candidato Jair Bolsonaro (PSL) na disputa pela Presidência do Brasil configura "um dia triste para a democracia". No texto, publicado neste domingo, o diário lamenta que "a desordem e o desapontamento" distraiam os eleitores e os "façam abrir as portas para populistas ofensivos, cruéis e teimosos". Na visão da publicação, o "tempestuoso" militar brasileiro tem "visões repulsivas" e, ainda assim, deve sair vencedor contra Fernando Haddad. O petista, diz o "NYT", "falhou em superar a associação de seu partido com a corrupção e a má gestão" na campanha, apesar da popularidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, barrado pela Ficha Limpa.

O texto, intitulado "A Escolha Triste do Brasil", começa com a descrição de episódios polêmicos da carreira do deputado Bolsonaro. O diário americano lembrou, por exemplo, de quando o parlamentar disse preferir ver um filho morto a um filho gay e de quando ele criticou o peso e a preguiça de quilombolas. A publicação ainda cita a "nostalgia" do militar por "generais e torturadores" que comandaram o país no passado. Mesmo com esse pano de fundo, ressalta o "NYT", as opiniões "grosseiras" do candidato são interpretadas como franqueza, a "carreira obscura" como congressista vira "promessa de outsider" e a proposta de "mão de ferro" é vista como esperança para a crise da segurança pública.

"Soa familiar? Ele é o mais recente da longa lista de populistas que surfaram na onda do descontentamento, da frustração e do desespero até o posto mais alto do governo em cada um de seus países. Não surpreende que ele seja descrito como o Donald Trump brasileiro", lê-se no editorial do jornal, que se opôs à candidatura do agora presidente americano em 2016.

Em setembro, a tradicional revista britânica "The Economist" publicou uma edição em cuja capa classificava Bolsonaro como " a última ameaça da América Latina ". Para a publicação, a eleição do militar seria "adição particularmente desagradável ao clube" de populistas, formado ainda pelo americano Trump, pelo filipino Rodrigo Duterte e pelo mexicano López Obrador.

'Desespero pela mudança'

O "News York Times" avalia que a ligação de petistas com esquemas corruptos alimentou um espírito de "tudo menos o PT" no eleitor. Com a pior recessão da História, as revelações da Operação Lava-Jato, a prisão de Lula, o impeachment de Dilma Rousseff, a investigação do presidente Michel Temer, a escalada de crimes violentos, os brasileiros entraram em "desespero pela mudança", segundo o jornal.

No dia seguinte ao primeiro turno, o "NYT" já havia destacado que a divisão política no país favoreceu a ascensão de Bolsonaro. Os partidos tradicionais estariam associados à corrupção, e o militar teria encarnado a raiva e o desejo de desmantelar o status quo. Um texto de opinião publicado no mesmo jornal em julho destacou que o candidato coloca risco à democracia brasileira.

Alçado como resposta a este cenário, Bolsonaro é descrito como uma mistura de conservadorismo social e liberalismo econômico - embora "confesse ter entendimento superficial de economia", reforçou o diário, que vê no meio ambiente um dos principais perdedores com um eventual governo do militar. Preocupa o "NYT" que um governo do PSL arrisque a floresta Amazônica, retire proteções para abrir espaço ao agronegócio, interrompa a demarcação de terras indígenas e abandone o Acordo de Paris sobre a mudança climática. Tais medidas seriam defendidas "em um país que, até recentemente, era elogiado pela liderança na proteção do meio ambiente", segundo a publicação.

"A decisão é dos brasileiros. Mas é um dia triste para a democracia quando a desordem e o desapontamento levam eleitores à distração e abrem as portas para populistas ofensivos, cruéis e teimosos", escreve o "NYT" no editorial.

Via Blog do Magno