CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Jovem é agredida pela PM durante discussão entre eleitores de Haddad e Bolsonaro na BA

Foto: Reprodução / Facebook

Menos de meia hora após a definição das eleições presidenciais, começou a correria para a pista em frente ao Largo de Santana, no Rio Vermelho, sentido Amaralina. No chão, a estudante Janaína Barata, 19 anos, estava com o nariz ensanguentado, resultado de uma agressão da Polícia Militar (PM), por volta das 19h30 deste domingo (28). Enquanto acusavam os policiais de agressão, e tentavam amparar a estudante, a corporação reagia com gás de pimenta em eleitores de Fernando Haddad e militantes do PT que foram ao local acompanhar a apuração dos votos.

O caso aconteceu, segundo testemunhas, durante um confronto entre militantes do PT e do PSL, que, de carro, iniciaram uma passeata em comemoração à vitória de Jair Bolsonaro (PSL). Rapidamente, teve início uma confusão entre os dois lados e dois homens, não identificados pela reportagem, iniciaram uma troca de insultos. Os dois defendiam lados contrários da disputa. Dezenas de pessoas começaram a se aglomerar no local onde ocorria a briga e policiais começaram uma ação de repressão.

É quando, segundo a própria Janaína, ocorreu a agressão. Na sua versão, seguida por amigos que a acompanharam ao largo, ela tentou defender o eleitor de Haddad de outra agressão de policiais. “Eu falei: ‘calma, ele não fez nada’. Aí, me deram uma cassetada na cara, eu caí”. O homem agredido, ainda de acordo com pessoas que dizem ter visto a situação, era eleitor de Haddad. O militante do PSL já tinha seguido a carreata quando a Janaína foi agredida.


“Ela veio aqui e perguntou: ‘será que o dólar caiu [com a vitória de Bolsonaro]?’ Era uma provocação. Aí eu respondi: ‘olhe no seu celular’”.

Ainda no chão, rodeado de pessoas, militantes do PT começaram a questionar as ações policiais. Os PM’s reagiram com gás de pimenta. Questionados sobre a ação, nem o comandante da operação, nem outros policiais quiseram comentar a ocorrência. Colega de Janaína, estudante do curso de Bacharelado Interdisciplinar da Universidade Federal da Bahia, Luan Alves, 23, afirmou que, minutos antes, uma policial havia falado com os dois.

A irmã da jovem, Tainá Barata, também presenciou a agressão. “Quando vi, Janaína estava discutindo com a polícia. Peguei ela, puxando pra ela parar de discutir. Aí agrediram ela com um cassetete”, contou Tainá. Os amigos chegaram a acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas preferiram levar Janaína antes da chegada do socorro. Janaína foi carregada até a Paróquia de Santana, onde esperou socorro.

Foi a mãe de uma amiga quem levou a jovem para o Hospital Geral do Estado, onde passou por um exame de raio-x para verificar a gravidade do trauma na face. A jovem não chegou a perder a consciência e não corre risco.



Na calçada, a estudante Clara Lima, 18, também acompanhou o tumulto, quando muitos eleitores de Haddad já começavam a deixar o Largo. “Tudo começou com uma carreatar pró-Bolsonaro. A galera começou a discutir, uns de dentro do carro [apoiadores de Haddad] e outros fora. Do nada, meteram o cassetete na menina”.

PM isola área e governador diz que o caso será levado à Corregedoria
Procurada para comentar a situação envolvendo militares e eleitores no Rio Vermelho, a Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA) informou que a PM isolou um trecho do bairro “após confronto entre militantes de partidos políticos rivais”. Em nota, a pasta informou ainda que o policiamento foi reforçado, na região, e confirmou que uma mulher acabou ferida.

“A confusão começou durante passagem de alguns veículos que comemoravam o resultado da eleição para presidente da república. Alguns objetos foram atirados, nos carros, e os PMs agiram rápido evitando brigas generalizadas. Neste momento, os militares foram agredidos e usaram força proporcional. Uma mulher, ainda não identificada, foi detida”, informou o comunicado.

Ainda de acordo com a SSP-BA, durante a condução da militante até a viatura, foi dado um disparo de arma de fogo para cima, com objetivo de dispersar o grupo que ameaçava liberar a mulher. Em sua conta no Twitter, o governador Rui Costa (PT) afirmou que o caso será levado à Corregedoria de Polícia Militar. “Condeno os atos de violência que ocorreram na noite de hoje no Rio Vermelho. Assim que tomei conhecimento dos fatos, determinei ampla e rigorosa apuração da ação policial pela Secretaria de Segurança Pública. O caso será levado imediatamente à Corregedoria da Polícia Militar”, escreveu na rede social.

Por Comercial PA4.com.br, com Correio da Bahia