CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Bolsonaro fala sobre liberdade de imprensa, privatização e diz que quer Moro como ministro

(Foto: reprodução/Record TV)

Em primeira entrevista dada após ter sido eleito presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), falou na noite desta segunda-feira (29) ao jornalista Eduardo Ribeiro, na Record TV, sobre pontos polêmicos abordados durante a campanha. Após especulações, o presidente eleito confirmou que quer o juiz federal Sergio Moro como ministro do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) ou até mesmo que ocupe um cargo no Ministério da Justiça.

“Agora acabou o período eleitoral e se eu tivesse falado isso lá atrás soaria oportunista da minha parte. Com toda certeza será uma pessoa de extrema importância em um governo como o nosso”, falou.

Questionado sobre políticas para minorias, Bolsonaro afirmou que irá “governar para todos”. “Queria saber o que é minoria? Nós somos iguais, não importa isso. Somos iguais, como está na constituição. Acho que se conseguimos a igualdade para todo mundo, todos se sentirão satisfeitos”, alegou.

Sobre o Mercado Comum do Sul (Mercosul), o presidente eleito afirmou que “ninguém quer implodir” o mercado, no entanto, será preciso se “livrar de algumas amarras” para assim ser dada “a devida importância” ao Mercosul.

Bolsonaro foi questionado sobre a liberdade de imprensa e afirmou que não irá interferir no que será veiculado, mas que o leitor irá “impor o limite”. De acordo com ele, alguns órgãos de imprensa acabaram “perdendo credibilidade” durante o período eleitoral por conta de matérias que teriam sido veiculadas mostrando, segundo ele, claro apoio a partidos políticos.

O presidente eleito ainda afirmou que irá privatizar a mídia publica e que irá confiar na mídia tradicional para divulgar as informações de interesse nacional. Conforme Bolsonaro, não se pode “gastar R$ 1 bilhão” por ano para algo que não traz audiência, em referência à mídia pública.

Via Varela Notícias