CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

MPF denuncia PMs e empresários por desvio de verba federal destinada a vítimas de enchentes em PE

Casa Militar de Pernambuco, localizada na sede do governo, no Palácio do Campo das Princesas, Centro do Recife, foi alvo da Operação Torrentes — Foto: Reprodução/TV Globo

Oito envolvidos em fraudes com recursos federais, que deveriam ter sido destinados à compra de cobertores para as vítimas das enchentes ocorridas em 2010, em Pernambuco, foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF). Entre eles estão policiais militares e empresários, investigados pela Operação Torrentes. O MPF aponta prejuízo de R$ 3 milhões aos cofres públicos.

De acordo com o MPF, foram denunciados os PMs Mário Cavalcanti de Albuquerque, Waldemir José Vasconcelos de Araújo e Laurinaldo Félix Nascimento. Os três ocupavam, respectivamente, os postos de secretário, secretário-executivo e presidente da Comissão Permanente de Licitação da Casa Militar do governo de Pernambuco.

Os policiais Paulo Estevam Vilela, Rolney Feitosa de Souza e Marcos Guedes Calé, integrantes da Comissão de Recebimento de Materiais da Casa Militar, na época, são acusados de ser beneficiados pelo esquema criminoso.

Também fazem parte da lista de denunciados os empresários Rogério Fabrizio Roque Neiva e Joseleide Gomes Neiva. O casal administrava a empresa RJ Comércio de Eletrodomésticos.

O G1 tenta contato com a defesa dos citados. A reportagem também aguarda retorno da Casa Militar sobre o assunto.

Segundo a denúncia do MPF, divulgada nesta quarta-feira (26), os envolvidos fraudaram licitações, usaram documentos falsos e desviaram recursos públicos. As irregularidades ocorreram entre os meses de junho e setembro de 2010.

As denúncias também envolvem duas licitações e os contratos destinados à compra de 84.720 cobertores para as vítimas das enchentes. O caso chegou à 13ª Vara da Justiça Federal, na segunda (24).

Do G1/PE