CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Morre tenente que foi baleado durante fuga em massa no PB1

Morreu, no fim da manhã desta segunda-feira (10), o tenente da Polícia Militar Erivaldo Moneta da Silva, de 36 anos, que foi baleado durante a fuga de detentos da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes (PB1), em João Pessoa, ocorrida durante a madrugada desta segunda-feira (10). Ele sofreu um tiro na cabeça.

O militar estava na sede da Academia de Polícia Civil (Acadepol), no momento em que foi atingido. O prédio fica na rodovia estadual PB-008, que fez parte da rota de fuga dos detentos. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) prestou os primeiros socorros ao policial e o levou para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena. A morte de Erivaldo Moneta da Silva foi confirmada pela assessoria de comunicação do hospital.
Entenda o caso

Cento e cinco detentos fugiram da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes (PB1) na madrugada desta segunda-feira (10). A fuga em massa aconteceu após um grupo composto por ao menos 20 homens fortemente armados invadir o complexo prisional e detonar explosivos no portão principal. A intenção dos bandidos seria resgatar quatro detentos, que são suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em roubo a bancos. Muitos outros presos acabaram aproveitando a oportunidade para escapar da unidade.

Um tenente da Polícia Militar acabou gravemente ferido durante a fuga em massa. Ele estava na sede da Academia de Polícia Civil (Acadepol), no momento em que foi atingido por um tiro na cabeça. O prédio fica na rodovia estadual PB-008, que fez parte da rota de fuga dos detentos. O policial foi socorrido para o Hospital de Emergência e Trauma, em situação grave.

Moradores das imediações do presídio ouviram a explosão e tiros. Nas redes sociais, áudios, fotos e vídeos circulam demonstrando o medo das pessoas, que relatam, inclusive, a possível invasão de detentos a casas próximas ao PB1.

Portal Correio