CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Paulo Câmara e Armando Monteiro fogem de Temer e colam em Lula em Pernambuco


Em todos os discursos e entrevistas, o governador tem repetido que o seu adversário representa “a turma de Temer” em Pernambuco. A estratégia é simples. Além da impopularidade recorde do emedebista, Pernambuco é um dos estados em que o “lulismo” ainda é muito forte.

Em 2014, no segundo turno das eleições presidenciais contra o tucano Aécio Neves (PSDB), a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), por exemplo, teve 70,2% dos votos no estado, o terceiro maior percentual do país.

Paulo e Armando já declararam que vão votar em Lula, caso o petista consiga viabilizar sua candidatura.

Paulo Câmara apoiou Aécio no segundo turno das eleições presidenciais de 2014. O governador conta hoje formalmente com o PT em seu palanque após acordo nacional para retirada do nome da vereadora Marília Arraes (PT) da disputa em Pernambuco em troca da neutralidade do PSB.

A chapa de Armando Monteiro tem dois ex-ministros de Temer, os deputados federais Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB). A dupla disputa o Senado e participou ativamente das articulações pró-impeachment da ex-presidente.

Em eventos políticos, sobretudo no interior, os dois evitam ataques a Lula e elogios ao presidente Temer.

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), vice-líder do governo no Senado, é um dos principais aliados de Armando e articulador da oposição a Paulo Câmara.

O seu filho, Fernando Bezerra Coelho Filho (DEM), era cotado para ocupar uma vaga na chapa majoritária de Armando. Ele deixou o Ministério de Minas e Energia em abril para concorrer à Câmara Federal.

“A gente tem que vencer em Pernambuco, mas também vencer no Brasil para tirar essa turma de Temer do governo. Não podemos deixar essa turma de Temer chegar em Pernambuco. Vocês sabem que nossa oposição aqui representa Temer”, discursou Paulo Câmara, no sábado (11), em Arcoverde, no Sertão.


“Eles querem criar uma cortina de fumaça para desviar do verdadeiro debate, que são os graves problemas de Pernambuco. Mantenho minha posição. Se Lula for candidato, eu voto em Lula”, disse Armando Monteiro, que já foi ministro de Dilma e teve o apoio do PT na disputa pelo Governo de Pernambuco nas eleições de 2014.

Na segunda-feira (13), a coligação Pernambuco Vai Mudar, que reúne 13 partidos em apoio ao senador do PTB, divulgou um vídeo por meio do WhatsApp mostrando que, ao contrário de Armando Monteiro, Paulo Câmara apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Em determinado trecho, o locutor afirma que “tem gente que apostou no impeachment.” Logo em seguida, aparece Paulo Câmara falando “Lula livre”.

Na peça publicitária, há ainda imagem de deputados federais do PSB pernambucano votando na Câmara pela admissibilidade do processo de impeachment e falas de Lula, Eduardo Campos e Marília Arraes elogiando o senador.

No início de abril de 2016, poucos dias antes de a Câmara Federal se posicionar em relação ao processo que culminou com a saída da petista da Presidência da República, Paulo Câmara exonerou quatro secretários para que eles reassumissem seus postos de deputado e pudessem reforçar os votos contra Dilma. 

As informações são da Folha de S.Paulo