CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

sábado, 18 de agosto de 2018

Kofi Annan, ex-secretário geral da ONU e Nobel da Paz, morre aos 80 anos

O ex-secretário geral da ONU Kofi Annan (Kumasi, Gana, 1938), que ocupou o cargo entre 1997 e 2006, morreu no sábado em Berna aos 80 anos, segundo informação da Organização Internacional das Migrações (OIM) em publicação no Twitter. “Hoje lamentamos a perda de um líder, um líder e um visionário: ex-secretário geral da ONU. Uma vida bem vivida. Uma vida digna de ser comemorada”, escreveu o órgão. Annan ganhou o Nobel da Paz em 2001 “por seu trabalho por um mundo melhor organizado e mais pacífico”. Em 2012 também recebeu o Prêmio Confúcio da Paz por “sua enorme contribuição à reforma e ressurgimento das Nações Unidas e como enviado especial da ONU e da Liga Árabe na Síria”.

A família de Kofi Annan e sua fundação também confirmaram seu falecimento. “Morreu em paz nesse sábado 18 de agosto após uma breve doença”, diz uma publicação no Twitter na conta oficial de Annan, em que colocaram um comunicado lamentando sua perda. O diplomata ganês, confirmou a família, adoeceu quando voltava da África do Sul após comparecer à comemoração do aniversário do nascimento do líder sul-africano Nelson Mandela. Annan foi hospitalizado em Genebra e depois levado de avião a um hospital da capital, Berna, onde morreu.

“Sua mulher Nane e seus filhos Ama, Kojo e Nina estiveram com ele nesses últimos dias”, relata o comunicado, que também diz que o ganhador do Nobel foi “um internacionalista profundamente comprometido que lutou durante toda sua vida por um mundo mais justo e pacífico”. A família também pediu privacidade nesse momento de luto.

Annan subiu de um começo humilde à secretaria geral da ONU. Seu maior fracasso na liderança do órgão, segundo ele mesmo reconheceu, foi não conseguir deter a guerra no Iraque, e pediu durante sua entrevista coletiva de despedida realizada na sede da organização em Nova York para não ser julgado unicamente pelo escândalo “Petróleo por Alimentos” nesse país, uma fraude que envolveu pelo menos 2.400 empresas no pagamento ilegal de comissões e propinas ao entorno do ditador iraquiano Saddam Hussein enquanto evitavam os controles das Nações Unidas.

O programa, que começou em dezembro de 1996 e acabou em 2003, nasceu como a mais ambiciosa operação realizada nos 60 anos de existência da ONU. O plano de ajuda contemplava o auxílio à população iraquiana com alimentos e remédios nos anos do embargo econômico contra o regime de Saddam Hussein. Dessa forma, se permitiu que petróleo saísse do Iraque no valor de 64,2 bilhões de dólares (251 bilhões de reais) e entrassem no país bens no valor de 34,5 bilhões de dólares (135 bilhões de dólares). Mas o programa se transformou em uma fonte de renda extra ao entorno de Saddam Hussein, que de acordo com os cálculos recebeu propinas e comissões de 1,8 bilhão de dólares (7 bilhões de reais).

Annan afirmou ter feito todo o possível para deter a guerra no Iraque e que apesar de se tratar de seu pior fracasso não deve apagar outras conquistas como os esforços da ONU em prol dos direitos humanos, a luta contra a desigualdade, em favor do desenvolvimento, cujo maior expoente são os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. O ex-secretário geral expressou seu desejo de que seu mandato fosse lembrado como o da luta contra o desastre do tsunami no Oceano Índico e o terremoto na Cachemira, entre outros.

Além da guerra no Iraque, Annan disse diversas vezes que o atentado contra a sede da ONU em Bagdá em agosto de 2003, em que o enviado especial Sergio Vieira de Mello morreu, foi outro dos piores momentos vividos na secretaria. Ele se manteve ativo até seus últimos dias, liderando a delegação da ONU The Elders, fundada por Nelson Mandela, que visitou o Zimbábue durante as eleições no final de julho.

O secretário geral da ONU, Antonio Guterres, lamentou a morte de Annan, afirmando que seu legado será sempre uma inspiração para todos. “Nesses tempos turbulentos, Annan nunca deixou de trabalhar para manter vivos os valores da Carta das Nações Unidas. Seu legado será sempre uma inspiração para todos”, disse Guterres em um comunicado. O líder português acrescentou que “foi uma referência e um guia”: “Em muitos sentidos, ele era as Nações Unidas”. O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, também lamentou sua perda em sua conta do Twitter: “Hoje perdemos um grande humanista. Kofi Annan nos deixa, ex-secretário geral da #ONU e Nobel da Paz, mas seu legado fica para continuar trabalhando a favor da paz, da segurança e para reforçar a defesa dos #DireitosHumanos”.

Do EL País