CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Centrão e corrupção tomam metade do tempo de Alckmin no JN


O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, passou mais da metade da entrevista ao Jornal Nacional da Rede Globo dando explicações sobre as alianças com o Centrão e sobre acusações de corrupção envolvendo seu nome e o seu partido. Dos 27 minutos de entrevista, Alckmin passou mais de 15 respondendo apenas sobre os 2 temas.

Sobre a coligação com 8 partidos, dentre eles o bloco do Centrão, grupo que garantiu o impeachment de Dilma Rousseff (PT), o tucano afirmou que a aliança é fundamental para 1 futuro governo. “Quem prometer mudança sem construir maioria é conversa fiada”, afirmou. “Todos os partidos têm bons quadros. Vou governar com os melhores quadros de todos os partidos que estão conosco”.

O tucano demonstrou nervosismo ao longo da entrevista e adotou tom mais assertivo ao falar sobre os casos de corrupção envolvendo tucanos e seu governo em São Paulo.

Alianças

O JN ainda cometeu uma gafe ao afirmar que o ex-presidente Fernando Collor (PTC) faz parte da base aliada de Alckmin. O senador alagoano faz parte da composição do PSDB no Estado, mas não compõe a coligação no plano nacional. “O Collor não me apoia. Eu tenho o apoio de 8 partidos e o PTC não está entre eles”, afirmou.

A coligação de Alckmin é composta por DEM, PP, PR, PSD, PRB, PTB, PPS e Solidariedade. Nos Estados, os partidos têm liberdade para formarem outras composições de acordo com a realidade local.

Corrupção

O tucano defendeu seu ex-secretário de Logística e Transportes, Laurence Casagrande, denunciado por suposta corrupção envolvendo obras no trecho Norte do Rodoanel Mário Covas. “Eu acho que o Laurence está sendo injustiçado. Espero que amanhã, quando ele for inocentado, tenha o mesmo espaço para fazer justiça a uma pessoa da vida simples, séria e correta”, disse sobre o ex-secretário.

Alckmin também foi questionado sobre as delações de que seu cunhado, o empresário Adhemar Ribeiro, teria recebido mais de R$ 10 milhões da Odebrecht em seu nome para Caixa 2 de campanhas eleitorais. “Na minha família, ninguém participa de governo. Minha mulher trabalha comigo há quase 40 anos como voluntária”, disse.

Sobre as denúncias envolvendo integrantes de seu partido envolvidos em casos de corrupção, Alckmin afirmou que todos terão de responder à Justiça. O tucano afirmou que Aécio Neves (MG) não deixou o PSDB porque ainda não foi condenado, enquanto Eduardo Azeredo, ex-tesoureiro do partido, “não está mais na vida pública”. “Azeredo já está afastado da política. Aliás, ele já vai sair do PSDB, não precisa nem expulsar”, disse, sem detalhar quando o pedido deve ser feito.

Alckmin defendeu a Operação Lava Jato e aproveitou o tema para criticar o PT, afirmando que os tucanos “não fazem vigília em porta de penitenciária, nem transformam réu em vítima”, em alusão a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segurança pública

Questionado sobre segurança, Alckmin afirmou que pretende adotar linha mais dura. “Vou acabar com essa saidinha toda hora”, disse sobre as saídas temporárias dadas a parte da população carcerária, como no final do ano, por exemplo.

Alckmin negou que o domínio no PCC (Primeiro Comando da Capital), facção criminosa que nasceu em São Paulo, seja responsável pela queda na criminalidade do Estado. “É um absurdo pensar que 10 mil pessoas deixaram de morrer por ano por vontade dos criminosos”, afirmou.

Via PE Notícias