CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Morre militar aposentado que tirava a farda só para ir à igreja, em Rondônia

Sargento aposentado Áureo, de 78 anos, morreu na manhã desta quarta-feira (18) (Foto: Ivanete Damasceno/G1)

Morreu nesta quarta-feira (18) o sargento aposentado que ficou conhecido por só retirar a farda do Exército quando ia à igreja, em Porto Velho. Áureo Soares Leite tinha 78 anos e morreu vítima de um Acidente Vascular Celebral (AVC). Ele estava internado há 26 dias na capital. Ele deixa esposa, quatro filhos e netos

"Ele trabalhava de domingo a domingo no quartel. Sempre usou a farda", disse emocionado Áureo Júnior, filho do sargento, ressaltando que desde a infância tem recordações do pai zelando pelo Exército e se dedicando a carreira militar.

O 5º BEC informou ao G1 que, no estado de Rondônia, Áureo era querido, particulamente em Porto Velho. O aposentado comparecia a todas as solenidades militares.

Conforme a família, o corpo será velado na tarde desta quarta-feira (18) no 5º Batalhão de Engenharia e Construção, localizado na avenida Rogério Weber.

O sepultamento será feito na quinta-feira (19) no Cemitério dos Pioneiros, dentro do 5º BEC. O local é considerado um cemitério histórico destinado aos pioneiros daquele batalhão.

Trajetória
A carreira militar de Áureo começou em 1957 no estado de São Paulo. Em 1966 se mudou para Rondônia a fim de servir o 5º Batalhão de Engenharia e Construção (BEC), onde permaneceu até a aposentadoria.

Há mais de 15 anos ele exercia a função de Comandante da Limpeza e Jardinagem. Também trabalhava como orientador e incentivador dos soldados no Hospital de Guarnição do Exército.

Conhecido por entoar “Bandeira do Brasil eu te amo!” Áureo mesmo aposentado, continuava e servindo à Pátria.

Em 2012, Sargento Áureo contou ao G1 que considerava o uniforme quase como uma segunda pele. “A esposa não gosta que eu ande vestido sempre de militar, ela compra roupas pra eu andar vestido de civil. Mas por mim eu andava sempre assim, elegante”, disse ele na época.

Do G1/Rondônia