CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Buscando apoios para reeleição, Paulo Câmara nomeia para cargo em comissão mais um candidato a prefeito derrotado


Sem alarde, o governador Paulo Câmara (PSB) nomeou mais um candidato a prefeito derrotado nas eleições de 2016 para cargo em comissão. Desta vez, o beneficiado foi Agean Tenório de Carvalho (PSB), nomeado para ser gerente de monitoramento no gabinete de Paulo Câmara.

Agean foi candidato em 2016 a prefeito de Águas Belas, pelo mesmo partido do governador.

A nomeação é mais uma em uma longa lista de indicações de políticos derrotados nas eleições municipais, para cargos em comissão no Governo do Estado.

Em alguns exemplos, já foram nomeados os ex-prefeitos Ferdinando Lima de Carvalho (PSD), de Parnamirim; Luciano Torres Martins (PSB), de Ingazeira; Paulo Tadeu Guedes Estelita (PSB), de Vicência; Antônio Auricélio Menezes Torres (PSB), de Cabrobó; Yves Ribeiro (PSB), de Paulista; Fabinho Rufino (PSB), de Bom Jardim; Daniel Alves de Lima (PSB), de Chã Grande, além de muitos outros.

Ainda em 2017, o deputado estadual Álvaro Porto (PTB) denunciou o suposto uso eleitoral de cargos em comissão para ex-prefeitos, na tribuna da Assembleia.

O oposicionista criticou o espaço dado para os aliados pelo governador.

“Queremos e merecemos saber quando o governo vai deixar de culpar a crise pela sua ineficiência ao mesmo tempo em que superlota a máquina para formar palanque para 2018”, afirmou o parlamentar.

O deputado ainda afirmou que a base aliada de Paulo Câmara na Assembleia tenta “naturalizar que há muito é condenável”.

“Aliar-se ao governo tornou-se um bom negócio. Mesmo para quem está com pendências no Tribunal de Contas o cargo foi garantido. Isso mostra bem o critério usado nas nomeações”, ironizou o deputado.

O parlamentar denunciou que os aliados nomeados para o Governo do Estado custavam, segundo o deputado estadual, R$ 2 milhões mensais aos cofres públicos. 

As informações são do Blog de Jamildo