CLIMAGEM

CLIMAGEM

TRINDADE MÓVEIS

TRINDADE MÓVEIS

JAQUES

JAQUES

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CHURRASCARIA E HOTEL NILSON

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Na solitária, Geddel recusou refeições e banho de sol

Durante o período em que ficou isolado em uma cela no Complexo Penitenciário da Papuda em Brasília, o ex-ministro Geddel Vieira Lima recusou refeições, não aceitou sair para o banho de sol e “ameaçou fazer escândalo” quando agentes tentaram levá-lo para atendimento médico.
Os detalhes estão em uma decisão (íntegra) de 2 de julho da juíza da Vara de Execuções Penais do DF, Leila Cury. No documento, ela cita relatos de agentes penitenciários para quem o ex-ministro se comportou de forma indisciplinada durante o isolamento. A punição começou em 26 de junho e duraram 10 dias.
Das quatro refeições diárias, o político aceitou apenas o café da manhã e a ceia. Comia diariamente 2 pães (1 deles recheado), achocolatado e suco. Geddel insistia para ter acesso à cantina da cadeia, mas não podia em razão do isolamento.
“O acesso de Geddel à cantina do bloco, à televisão e visitas durante o cumprimento do isolamento preventivo foram suspensos (como seriam para todo e qualquer preso que tivesse sido levado a isolamento disciplinar), cabendo-lhe apenas a assistência jurídica, médica, alimentação fornecida pelo Estado e banho de sol diário, com duração de 3 horas, não havendo, portanto, razão plausível para a recusa no recebimento das quatro  refeições diariamente fornecidas que, aliás, é adaptada à dieta que lhe foi prescrita pela Gerência de Saúde do presídio, tampouco ao banho de sol oferecido”, afirma a juíza na decisão.
A juíza relata ainda que, de acordo com os agentes penitenciários, o ex-ministro “ameaçou fazer escândalo” quando tentaram encaminhá-lo para atendimento médico fora da cadeia. Disse que estava bem de saúde e se recusou a sair.
Apesar disso, a magistrada disse não haver riscos à saúde do político e determinou o cumprimento integral do isolamento. Ele já deixou à solitária.
“Acresça-se o fato de que Geddel foi encaminhado para atendimento psiquiátrico, por médico psiquiatra que atua dentro da unidade prisional e, após a consulta, ele emitiu o relatório, atestando que referido paciente ‘apresenta-se bem psiquicamente, porém um pouco irritado e impulsivo, o que é compatível com o período de mudança da medicação antidepressiva, iniciado em 12 de junho e que pode durar por mais dez dias”.
Via PE Notícias