CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Pernambuco na expectativa sobre anúncios do Projeto Avançar do Governo Federal

Em construção há mais de 10 anos, Transnordestina não está nem na metade / Foto: Diego Nigro

O presidente Michel Temer anuncia hoje em Brasília o Projeto Avançar sob críticas de que o programa é uma tentativa de requentar o PAC e criar agenda positiva às vésperas das eleições de 2018. Com investimento estimado em R$ 42,15 bilhões, o Avançar traz um rol de 6.233 projetos, que vão de creches à construção de residências do Minha Casa Minha Vida. No mercado, o questionamento que se faz é porque o governo não se empenha em concluir o PAC 2015-2018, com investimento calculado em R$ 494,6 bilhões e que só teve R$ 200,9 bilhões (40,6%) executados até junho deste ano (último dado disponível).


Auxiliares do presidente Temer afirmam que a diferença entre o novo programa e o PAC é o fato de ser realizado exclusivamente com recursos públicos que virão do Orçamento. Em Pernambuco, a expectativa é sobre que obras deverão ser incluídas no Projeto Avançar. Se projetos paralisados ou em ritmo lento serão reempacotadas dentro do Avançar. O investimento total do PAC no Estado é de R$ 41,39 bilhões entre 2015 e 2018, além de R$ 12,9 bilhões para depois de 2018.

O Ministério do Planejamento não divulga o percentual de execução dos investimentos no Estado, mas o status das obras listadas aponta para um número pequeno de empreendimentos concluídos. No eixo de infraestrutura logística, por exemplo, das 13 obras principais apenas duas (reforma das pistas dos aeroportos do Recife e de Fernando de Noronha) estão concluídas e em operação. Iniciada em 2006, a ferrovia Transnordestina continua em obras onze anos depois. A previsão inicial de investimento estava estimada em R$ R$ 4,5 bilhões, mas já foram gastos R$ 6,3 bilhões e a expectativa é de que o orçamento final feche em R$ 11,2 bilhões e só seja concluída em 2021. Na mesma situação estão as duplicações das BRs 101 e 104.

Arco Metropolitano

Ainda no eixo de infraestrutura logística também estão em fase ainda de preparação obras consideradas estratégicas para o desenvolvimento do Estado, como o Arco Metropolitano (contorno que ligará o Porto de Suape até a Zona da Mata Norte). Há mais de dois anos em operação, a fábrica da Jeep (em Goiana) ainda não conta com o Arco para desafogar o trânsito no entorno da fábrica e otimizar a logística.

No eixo de infraestrutura energética, os projetos de construções de navios nos dois estaleiros em operação no Estado (Atlântico Sul e Vard Promar) tiveram suas carteiras de encomendas encolhidas graças à crise dentro da Petrobras. A Transpetro - braço de logística da estatal - cancelou sete navios com o EAS e dois com o Vard.

Via PE Notícias