CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

domingo, 10 de setembro de 2017

Peças embaralhadas no xadrez político pernambucano

A travessia do senador Fernando Bezerra Coelho do PSB para o PMDB provocou reboliço no cenário político local/Foto: Arte/FolhaPE

A travessia do senador Fernando Bezerra Coelho do PSB para o PMDB provocou reboliço no cenário político local, como poucas vezes se viu na história recente. Porém, mais do que isso, o desembarque muda a correlação de forças entre os partidos que, eventualmente, lançarão candidatura majoritária em 2018, embaralhando o xadrez político. O objetivo é a construção de uma ampla frente de oposição ao Palácio do Campo das Princesas, formada no berço da base de apoio ao Governo Temer.

No PMDB, o ingresso de Bezerra leva a legenda a aparecer como a segunda opção concreta no campo das oposições. E para uma eventual disputa, a sigla contará com boas condições, uma vez que dispõe de um dos maiores tempo de televisão, Bezerra tem grande inserção no Sertão e já deu largada às costuras para atrair aliados na Região Metropolitana do Recife e no Agreste.

Após ingressar no partido, o agora peemedebista já admitiu que vem dialogando com siglas da base aliada do Governo. No rol de legendas que podem vir a configurar a ampla frente política que o senador vem estimulando estão o PSC e PR, além das que almejam candidatura própria, mas não descartam uma aliança com o PMDB, como o DEM, PTB e PSDB. 

Em entrevista recente, o senador, que está prestes a tomar o comando do PMDB para si, deixando os atuais dirigentes - o deputado federal Jarbas Vasconcelos e o vice-governador Raul Henry - numa situação muito desconfortável - incorporou o discurso oposicionista e afirmou que há um espaço de diálogo com as forças da oposição para formar um palanque do Palácio do Planalto em Pernambuco. Neste diálogo, ele defende que o seu novo partido fique com a cabeça de chapa e que o nome do ministro Fernando Filho, que continua no PSB, seja cogitado.

"Desejamos implementar no PMDB de Pernambuco, com apoio da direção nacional, a preparação do partido para disputas majoritárias, seja no cargo de governador, seja de senador. Vamos defender nesse conjunto, um nome do PMDB na disputa de Pernambuco. É um trabalho que está sendo feito não só aqui, mas outros estados", revelou Bezerra Coelho a uma rádio local. O dirigente deixou claro que o projeto é de oposição ao governado Paulo Câmara (PSB) e que os socialistas contribuíram para afastá-lo da Frente Popular. "Não teve ninguém que desejasse mais participar do projeto político de Paulo do que eu, todos sabem os desencontros que tivemos", justificou.

Além do nome do PMDB, a primeira alternativa já apresentada no campo oposto é o nome do senador Armando Monteiro (PTB) que desde o processo eleitoral passado se coloca como o virtual candidato. No entanto, a dificuldade de angariar condições, como tempo de televisão - diante do afastamento do PT - levou o petebista a defender, em alguns momentos, que poderia se lançar a outros planos , a exemplo da reeleição no Senado ou até um mandato de deputado federal. 

Hoje, Armando conta com o apoio do Avante, Podemos e do PRB. Ele ainda tem um bom grupo de aliados na Alepe e Câmara Federal. Apesar da boa inserção no Agreste, o pequeno leque de aliados diminue as possibilidades. 

No Campo das Princesas, o embarque de FBC no PMDB representará uma grande perda, sobretudo, no tempo de TV para os planos de reeleição de Paulo, que perderá o seu maior fiador e se vê cada vez mais isolado. Nos bastidores, socialistas vêm ensaiando reaproximação com o PT, o que traria uma oxigenação, mas petistas locais têm se mostrado descontentes com as movimentações de correligionários. No diretório do partido, a defesa é pela candidatura própria. apenas com siglas da esquerda. 

O DEM e o PSDB são outros partidos que, depois do ingresso dos pernambucanos Mendonça Filho e Bruno Araújo nos ministérios da Educação e Cidades, respectivamente, entraram no rol de uma postulação majoritária. Os dois partidos almejam a cabeça de chapa e têm estreitado as relações. Eles têm prefeitos em cidades estratégicas como o PSDB em Caruaru, mas, mas ainda não sinalizaram abertamente o projeto. 

Em meio ao embaraço, o cientista político da UFPE, Helly Ferreira, afirmar ser muito precipitado imaginar a composição de 2018. "O cenário é muito turvo", avalia. Ele lembra que as delações premiadas e a própria discussão em torno da disputa presidencial trarão repercussão nos estados, com resultados imprevisíveis junto à sociedade.

Fonte: Folha PE