CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Curitiba deslocará mil Policias Militares para depoimento de Lula


O esquema de segurança em Curitiba para o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contará com um efetivo de aproximadamente 1.000 policiais militares, disse a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp). O petista se encontrará com o juiz federal Sergio Moro pela primeira vez após ter sido condenado a nove anos e seis meses de prisão no caso do tríplex do Guarujá. A audiência está marcada para a tarde desta quarta-feira.

Também serão deslocados representantes da Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Departamento de Inteligência do Estado do Paraná (Diep), Guarda Municipal, Polícias Rodoviária Estadual e Federal, Polícia Federal, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), entre outras. “É um esquema muito parecido, mas um pouco menor do que no depoimento anterior. Considerando informações repassadas a nós, virão menos pessoas”, disse o secretário da Segurança Pública, Wagner Mesquita.

Havia a expectativa de uma mobilização maior do que a registrada no primeiro depoimento de Lula a Moro, ocorrido no dia 10 de maio. As autoridades cogitavam a vinda de 60 mil pessoas para Curitiba, mas a Secretaria de Segurança disse que o número não se confirmou. São esperadas para esta quarta cerca de 5 mil pessoas na cidade.

No primeiro encontro entre Lula e Moro, o esquema de segurança contou com 1.700 policiais militares. Um helicóptero da PM também foi mobilizado para fazer o patrulhamento da área. Toda a operação custou 110.000 reais.

Para evitar o conflito entre grupos pró e contra Lula, os apoiadores do ex-presidente ficarão concentrados na praça Generoso Marques, enquanto grupos críticos do ex-presidente ficarão nas proximidades do Museu Oscar Niemeyer, informou Mesquita. “A nossa intenção é que não haja qualquer contato entre estes dois grupos, assim como aconteceu no primeiro depoimento do ex-presidente.”

Em nota, o PT informou que entidades e movimentos sociais, articulados pela Frente Brasil Popular, realizarão um ato em apoio a Lula. A manifestação ocorrerá às 18h e contará com a presença do ex-presidente, que deverá discursar no local.

O processo: Lula será ouvido no processo em que a força-tarefa da Operação Lava Jatoatribui a ele os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo o Ministério Público Federal, propinas pagas pela Odebrecht chegaram a 75 milhões de reais em oito contratos com a Petrobras. Este montante, segundo os investigadores, inclui um terreno de 12,5 milhões de reais para comprar um imóvel que seria para o Instituto Lula – mas que nunca foi usado – e outros 504 mil reais para a aquisição do apartamento vizinho ao que o petista mora, em São Bernardo do Campo.

Na última semana, o ex-ministro Antonio Palocci, que também é réu no processo, incriminou Lula ao prestar depoimento a Moro. Ele citou um “pacto de sangue” entre o empresário Emílio Odebrecht e Lula, que teria envolvido um “pacote de propinas” ao petista no final de seu segundo mandato no Palácio do Planalto, em 2010.

O ex-ministro disse a Moro que a denúncia do MPF “procede” e que participou das tratativas sobre vantagens indevidas. Afirmou, ainda, que a relação entre os governos petistas e a empreiteira era “bastante intensa, movida a vantagens dirigidas à empresa e propinas pagas pela Odebrecht para agentes públicos”.

A defesa de Lula nega todas as acusações e diz que Palocci mentiu para tentar conseguir fechar o acordo de delação premiada que está negociando com o MPF. Palocci está preso em Curitiba desde setembro do ano passado. 

Via: Estadão Conteúdo