CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

sábado, 9 de setembro de 2017

Codevasf sugere construção de cinco barragens para suprir as demandas hídricas do São Francisco


Ao participar, em Brasília, na última quarta-feira de uma audiência pública na Comissão Permanente de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, o presidente da Codevasf, Avelino Neiva (foto), disse que há solução para suprir as demandas hídricas do rio São Francisco a partir dele próprio.

O objetivo da audiência pública foi discutir a crise hídrica no vale do São Francisco, bem como na barragem de Sobradinho, que se encontra com apenas 7% de sua capacidade de acumulação.

“Não se pode pensar na solução do problema hídrico do São Francisco se nós não tivermos uma opção dentro da própria bacia hidrográfica”, disse o presidente, acrescentando que a Codevasf “possui um belíssimo estudo, feito há alguns anos, a respeito da construção de cinco grandes barragens que poderão suprir demandas hídricas do rio São Francisco”.

Avelino Neiva destacou também que a construção das cinco barragens é uma “ação viável” para a bacia do “velho Chico”, pois os investimentos seriam menores do que, por exemplo, do que a interligação com a bacia do rio Tocantins, como sugere o deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE).

“ O mais importante é que todos os estudos de viabilidade econômica já estão prontos, feitos pela própria Codevasf”, garantiu o presidente.

O diretor de Irrigação da Companhia, Napoleão Casado, complementou a apresentação do presidente apontando ações emergenciais executadas por ela para diminuir os efeitos da seca na bacia do rio São Francisco.

Segundo ele, desde 2015 a Codevasf realiza obras de desassoreamento do rio, além de ter instalado sistemas de bombeamento flutuante, que permitem a captação de água para os projetos de irrigação, mesmo com a redução da vazão. Os investimentos feitos nessas obras, disse ele, já passam dos R$ 47 milhões.

A Codevasf tem jurisdição numa área de aproximadamente de 600 mil quilômetros quadrados, onde vivem cerca de 18 milhões de pessoas.

Além de Antônio Avelino, participaram da audiência pública José Carvalho de França (NOS), Vicente Guillo (diretor-presidente da ANA), João Henrique de Araújo Neto (diretor de Operações da Chesf) e Amauri José Bezerra da Silva (presidente do conselho de administração do projeto de irrigação Nilo Coelho).

Via PE Notícias