CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Privatização: como a Chesf passou do símbolo de força ao prejuízo

Qual a empresa que fica em pé depois de perder uma receita de cerca de R$ 4,5 bilhões por ano? Isso vem ocorrendo com a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) desde 2013. Foram R$ 18 bilhões que a empresa deixou de faturar entre 2013 e 2016, embora a estatal continue produzindo a mesma quantidade de energia, um bem que não é barato no Brasil. “Na época, a perda ficou em cerca de R$ 4 bilhões na área de geração de energia e de aproximadamente R$ 1 bilhão na receita dos empreendimentos de transmissão”, lembra o consultor do setor elétrico, João Bosco Almeida, ex-presidente da Chesf, entre 2012 e 2013. A perda da receita provocou a falta de dinheiro para obras e até o custeio da estatal.

A história da perda da receita dos R$ 4,5 bilhões é longa. Em 2012, a então presidente Dilma Rousseff (PT) decidiu abaixar em 20% a conta de energia de todos os brasileiros por decreto. Para isso, lançou a Medida Provisória 579 que depois se transformou na Lei Federal 12.783. A lei obrigou a Chesf a vender a energia mais barata e a cobrar menos no transporte de energia realizado nas suas linhas de transmissão. Somente na geração, a empresa vendia, em média, o megawatt por R$ 150 e passou a receber cerca de R$ 30 a partir de janeiro de 2013.

A perda de receita seria compensada pelas indenizações da União para bancar o que a Chesf ainda tinha a receber pelos investimentos feitos nas hidrelétricas que tiveram as suas concessões prorrogadas pela lei 12.783. Esse dinheiro demorou a chegar. Os ativos da estatal foram transferidos para a União e também seriam indenizados. Na hora de avaliar o patrimônio da Chesf, a União entendeu que os bens da empresa valiam R$ 6 bilhões a menos. Esse foi o motivo pelo primeiro grande prejuízo da estatal depois de anos de lucro. O resultado ficou negativo em R$ 5,3 bilhões em 2012. Depois disso, o lucro saiu de cena e ficaram os prejuízos. No ano passado, o resultado voltou a ficar positivo por outra manobra contábil: uma indenização que ainda não tinha entrado de fato no caixa da estatal.

MUDANÇA

Com a Lei 12.783, as oito hidrelétricas deixaram de pertencer à Chesf, assim como 70% do parque de transmissão de energia da estatal. Eles passaram a fazer parte do patrimônio da União. Ficou Sobradinho que tem a função de produzir energia mais barata para 10 grandes indústrias do Nordeste, benesse acertada pelo então ministro Edison Lobão (PMDB). “O governo Temer pode estar cometendo o mesmo erro de Dilma, que aprovou as mudanças do setor primeiro para depois fazer as contas. Depois, que a lei (12.783) entrou em vigor, percebeu que precisavam de mais dinheiro do tesouro para as indenizações”, contou Bosco, ligado ao PSB de Pernambuco. E o resultado: a Chesf entrou em dificuldade financeira, perdeu força, se endividou e agora está a caminho da privatização.

Via PE Notícias