CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Chesf pode ser privatizada


A futura privatização da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) está numa consulta pública de reestruturação do setor elétrico que o Ministério de Minas e Energia (MME) publicou no seu site ontem. A intenção do governo federal é fazer novas concessões por um prazo de 30 anos, privatizando as geradoras que tiveram as suas concessões prorrogadas pela Lei Federal 12.783 de janeiro de 2013, como é o caso da estatal nordestina.

Ainda na proposta, "a privatização de empresas com geradoras na Bacia do São Francisco" teria um componente adicional. Parte dos recursos obtidos com a concessão seria usado na recuperação do Rio São Francisco. As principais hidrelétricas da Chesf estão no Velho Chico.

"Foi uma surpresa. Vamos fazer uma resistência contra o desmonte da empresa. Tomamos conhecimento disso pela imprensa", diz o diretor do Sindicato dos Urbanitários de Pernambuco e secretário de energia da Federação dos Urbanitários do Nordeste, Fernando Neves. Ele participa hoje de uma reunião, no Rio de Janeiro, com diretores e representantes dos trabalhadores de todo o sistema Eletrobras, que pertence ao governo federal e é dono da Chesf, Eletronorte, Eletrosul e Furnas, todas geradoras de energia.

Fernando se diz contra a privatização porque acredita que esse é o primeiro passo para a precarização dos empregados da Chesf e também porque não acredita que o serviço (a geração de energia) vá melhorar com a entrada de uma empresa privada.

A proposta do governo federal foi anunciada depois da imprensa noticiar que a Chesf colocaria à venda 13 ativos - incluindo parques eólicos e linhas de transmissão - para arrecadar recursos a serem usados em obras inacabadas. Segundo informações da Chesf, a empresa teria que arrecadar cerca de R$ 2 bilhões para concluir cerca de 100 obras inacabadas.

O presidente da Chesf, Sinval Zaidan Gama, afirmou que, ao lançar a proposta, a intenção do governo federal é recolher contribuições, com críticas e comentários da população, para depois fazer uma reestruturação do setor elétrico. As contribuições podem ser enviadas pelo site do ministério (http://www.mme.gov.br) até o dia 04 de agosto. As propostas do novo marco legal do setor elétrico têm que ser aprovadas pelo Congresso Nacional e sancionadas pelo presidente da República para serem implantadas.

Quando foi entrevistado, Sinval sabia da consulta pública, mas não tinha lido o seu conteúdo. "É muito pouco provável que o governo federal pense em privatizar a Chesf que é uma empresa importante para o Nordeste e está em fase de saneamento", conta. A reportagem do JC entrou em contato com a assessoria do ministro Fernando Coelho Filho, que não atendeu a reportagem.

DESMONTE

A Chesf está numa situação difícil. A atual receita da empresa é de cerca de R$ 3,5 bilhões por ano, só que as despesas também são de aproximadamente R$ 3,5 bilhões por ano. A empresa está realizando um Programa de Desligamento Voluntário, incentivando o desligamento de funcionários para diminuir os seus custos.

A estatal era uma das maiores empresas do Nordeste e uma das mais lucrativas do Sistema Eletrobras. No entanto, em setembro de 2012, a então presidente Dilma Rousseff (PT) lançou a Medida Provisória 579 (que depois veio a ser a Lei 12.783) com o objetivo de reduzir em 20% a conta de energia dos brasileiros, o que não chegou a ocorrer. Na época, a Chesf foi responsável por 60% da energia que passou a ser vendida mais barata por causa dessa lei, o que fez a empresa perder muita receita. Somente para o leitor ter uma ideia, a estatal vendeu o megawatt (MW) por R$ 38, enquanto outras geradoras estavam comercializando o MW entre R$ 150 e R$ 160, em março último.

Não é a primeira vez que o governo federal tenta privatizar a Chesf. No começo dos anos 2000, o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), anunciou a privatização da estatal e os recursos gerados com a venda seriam usados na Transposição do Rio São Francisco. Essa possibilidade fez as principais lideranças da região se unirem e a União desistiu da ideia. 

Via PE Notícias