CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

terça-feira, 11 de julho de 2017

Artesãos esculpem obras 'ao vivo’ na Fenearte, em Olinda, PE

Obra é esculpida 'ao vivo' por artesão na Fenearte (Foto: Penélope Araújo/G1)

Quem passa pelo Espaço Interferência Janete Costa, na área externa da Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte), em Olinda, pode acompanhar o processo 'ao vivo' de criação de esculturas entalhadas em madeira. O grupo de artesãos responsáveis pelas obras é da Associação Mestre Noza, de Juazeiro do Norte, no Ceará.

Enquanto conversa e aproveita o público da feira para comercializar as obras — que, normalmente, são vendidas apenas no ateliê da associação —, o grupo de artesãos esculpe peças que retratam diversas imagens, como figuras populares, pessoas, santos e animais.

Grupo aproveita para criar novas peças durante a Fenearte (Foto: Penélope Araújo/G1)

“Vamos ficar aqui esculpindo até o fim da Fenearte. É assim que a gente produz. É cansativo, mas estamos à vontade", afirma o artesão José Everaldo da Silva, enquanto tira pedaços de uma madeira que, aos poucos, se transforma em uma figura humana.
A associação homenageia Mestre Noza, que foi um dos primeiros escultores de Juazeiro, e se dedica a repassar a arte através das gerações. “Minha família já tinha artesãos, mas eu sou o primeiro escultor. Aprendi há 17 anos”, explica Din Alves, de 30 anos.

Peças produzidas pelo grupo de artesãos estão expostas no Espaço Interferência Janete Costa (Foto: Penélope Araújo/G1 )

Para ele, que expõe na Fenearte há seis anos, a experiência de mostrar como o trabalho é feito é uma ótima oportunidade. “É uma forma diferente de apreciar o trabalho de um escultor”, destaca o artesão.

A Fenearte funciona das 14h às 22h, durante a semana, e das 10h às 22h, nos sábados e domingos. Os ingressos custam R$ 10 e R$ 5 (meia), de segunda a quinta, e R$ 12 e R$ 6 (meia) nas sextas, nos sábados e domingos.

Do G1/Fenearte