CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

terça-feira, 13 de junho de 2017

STF deve analisar pedido de prisão de Aécio no próximo dia 20, diz relator


O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), informou nesta terça-feira (13.06) que deverá levar a julgamento na próxima terça (20) o pedido de prisão do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG).

O caso será analisado pela Primeira Turma do Supremo, formada por Marco Aurélio Mello e os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux.
Além do pedido de prisão, apresentado pela Procuradoria Geral da República, a Primeira Turma do STF deverá examinar um pedido da defesa de Aécio para que ele retorne ao exercício do mandato, do qual foi afastado em maio por determinação do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato.

A prisão e o afastamento de Aécio Neves foram pedidos, segundo a PGR, para evitar que ele atrapalhe as investigações.

O senador é acusado pelo Ministério Público de ter cometido os crimes de obstrução de Justiça, corrupção e participação em organização criminosa.

Desde que surgiram as delações de executivos da JBS e os pedidos do Ministério Público, Aécio tem negado em notas à imprensa e em vídeos nas redes sociais todas as acusações. O senador afastado diz, por exemplo, que é vítima de "armação"; afirma que não atuou para beneficiar a JBS; e diz também que provará a inocência dele.

Além do afastamento do mandato, Aécio foi proibido de ter contato com outros investigados e de deixar o país. As medidas foram autorizadas por Fachin, que inicialmente supervisionava as investigações. O caso foi repassado a Marco Aurélio por não ter relação com os desvios na Petrobras, foco da Lava Jato.

Nesta terça, a Primeira Turma do STF negou, por 3 votos a 2, a soltura de Andrea Neves, irmã de Aécio presa no dia 18 de maio. A maioria considerou que ainda havia risco de cometimento de novos crimes e decidiu manter a prisão preventiva, decretada antes de um julgamento sobre as acusações.

Relator do pedido de liberdade, Marco Aurélio votou pela soltura, mas ficou vencido.

Do G1/Política