CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

sexta-feira, 23 de junho de 2017

“Se preparem”, alerta Carlos Veras, presidente da CUT/PE sobre greve geral


Na próxima semana os brasileiros devem se preparar para enfrentar uma nova greve geral, mais precisamente no dia 30, que promete parar o Brasil novamente reivindicando mais uma vez o “Fora Temer” e “Diretas Já”. A alerta foi feita pelo presidente da Central Única dos Trabalhadores de Pernambuco (CUT-PE), Carlos Veras, nesta quinta-feira (22.06). 

A notícia vai especialmente, de acordo com o dirigente, para os que não acreditam em uma grande nova mobilização. “São os mesmos que não acreditaram que a gente conseguiria fazer uma grande greve geral no dia 28, os mesmos que nos criminalizam todos os dias e que vão continuar a arrumar uma forma de criminalizar, de tentar descredenciar os movimentos sindicais perante a população, mas se foi possível dia 28, será possível no dia 30 também. Se preparem que vai ser uma grande greve”, enfatizou. 

Carlos Veras reiterou que somente o povo na rua é possível “derrubar” o presidente Michel Temer (PMDB). “Por isso, nós vamos fazer greve geral no dia 30 de junho. Nós vamos fazer pelo Fora Temer, pelas Diretas Já, por nenhum direito a menos, contra a reforma trabalhista e previdenciária, só o povo na rua é que vai pressionar aqueles deputados e senadores a tirar o Temer e aprovar a PEC Diretas Já”. 

Ele ainda disse que os trabalhadores estão cientes que os protestos são a única solução diante do atual cenário. “Ou os trabalhadores param, fazem greve ou vão retirar todos os direitos sem dó e sem piedade”, concluiu.

O ato do dia 28 de abril, que foi convocado pelas principais sindicais, paralisou o transporte público fazendo com que boa parte da população não conseguissem chegar a seus locais de trabalhos. Outros serviços nas principais capitais do país também foram paralisados. O pouco movimento nas ruas também espalhou uma onda de insegurança.

Via PE Notícias