CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

sábado, 3 de junho de 2017

Polícia conclui que Caso Itambé foi homicídio


O policial que atirou no jovem Edvaldo da Silva Alves, de 19 anos, durante um protesto em Itambé, na Zona da Mata Norte, e o capitão que deu a ordem do disparo foram indiciados por homicídio culposo. O inquérito da Corregedoria da Polícia Civil foi apresentado nesta sexta (2) e concluiu que eles não possuíam treinamento adequado.

O inquérito foi concluído pela Corregedoria da Polícia Civil e os detalhes, anunciados pelo delegado Pablo Tenório em coletiva  de imprensa na manhã desta sexta-feira (2). Após pesquisa técnica, foi concluído que o policial que atirou no jovem durante protesto por segurança em março passado não possuía treinamento para o uso do elastômero ou bala de borracha. O capitão que deu o comando do disparo também não tinha treinamento e responderá por abuso de autoridade. Ambos serão indiciados por homicídio culposo (sem intenção de matar).

Segundo o delegado responsável pelo caso, foram realizados seis exames periciais, mais os complementares.“Quando se trata de uma ocorrência de bala de borracha, são levados em consideração vários fatores: distância, posição”, declarou o delegado Pablo Tenório. A doutrina técnica aponta que a distância mínima para um tiro de bala de borracha é de 20 metros. No vídeo, é possível identificar que o tiro foi disparado a uma distância menor.

O policial Ivaldo Batista de Souza Jr., de 33 anos, e o capitão Ramos Silva Cazé, de 43 anos, ainda estão atuando na Polícia, mas não nas ruas. A Corregedoria julgará se eles serão afastados ou não. “Na investigação não houve o preenchimento de requisitos legais que apontassem uma prisão preventiva dos policiais” afirmou Pablo Tenório.

Em depoimento, ambos os indiciados afirmaram que fizeram uso dos disparos para conter a multidão e que não tinham a intenção de provocar feridas letais. Era a primeira vez que o policial Ivaldo Batista, em seis anos de serviço, fazia uso da elastômero e bala de borracha. Quando questionado sobre a agressão contra a vítima, o capitão Ramos afirmou que desferiu um tapa contra o jovem para contê-lo, pois ele parecia muito nervoso.

“A causa da morte estabelecida foi uma infecção generalizada, mas pode-se dizer que isso foi causado pelo tiro” afirma a gerente geral de polícia científica, Sandra Santos. “O inquérito foi muito complexo, pois a perícia precisava analisar elementos importantes no vídeo, como a distância do disparo. O trabalho dos legistas foi dificultado e por isso o resultado demorou tanto para ser liberado”, justifica ela.

Veja o vídeo do momento em que Edvaldo foi baleado:



Entenda o caso

Um policial atirou com bala de borracha, à queima-roupa, na virilha do jovem Edvaldo da Silva Alves, de 19 anos, durante manifestação na rodovia PE-75 por segurança em Itambé. Edvaldo chegou a ser hospitalizado, mas faleceu no dia 11 de abril. Após o ocorrido, o irmão de Edvaldo sofreu ameaças de morte.

Foram abertos dois inquéritos – um policial e outro militar -, além de um processo administrativo pela corregedoria geral da Secretaria de Defesa Social. Os policiais envolvidos prestaram suas declarações à polícia e foram afastados das ruas, estando responsáveis apenas por atividades burocráticas.

Via FolhaPE