CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Paulo Câmara quer ampliar doações em dinheiro


O governador Paulo Câmara (PSB) encaminhou à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) um projeto que cria o Fundo Especial de Amparo aos Municípios Atingidos pelas Chuvas (Famac), voltado para obras de infraestrutura nas 27 cidades em estado de emergência no Agreste e Mata Sul após as enchentes. Com o fundo, o governo espera viabilizar doações em dinheiros para as vítimas das chuvas. O texto tramitará em regime de urgência no Legislativo.

Segundo o balanço do governo do Estado, Pernambuco tem quase 3,3 mil desabrigados e 36 mil desalojados em função das enchentes e das fortes chuvas que atingiram o interior.

O fundo será administrado pela Casa Militar, motivo pelo qual deve ser voltado para obras de infraestrutura como pontes e muros de arrimo. Além da execução de obras, a proposta prevê que os recursos também serão destinados ao fornecimento de bens, a entrega de unidades habitacionais e obras de acesso ou água e esgoto, a prestação de serviços, e a transferências voluntárias para atender as situações de emergência.

"É para doações. Tem gente que quer doar em dinheiro. A gente recebeu muitas doações em alimento, água e roupa. Mas tem banco por exemplo que quer doar em dinheiro. Esse fundo é para receber doações. Para que a gente legalize o ingresso de recursos particulares. Não é do meu orçamento. É para que eu crie a rubrica para receber", explicou o secretário de Planejamento, Márcio Stefanni, que coordena o Gabinete de Crise montado para ajudar os municípios.

De acordo com o governo, o modelo já havia sido adotado em 2010. Na época, o fundo conseguiu levantar algo em torno de R$ 15 milhões, explicou o secretário. Doações de pessoas físicas ou jurídicas, convênios com a União e até contribuições de instituições estrangeiras podem ser usadas para compor o fundo.

À espera de recursos federais para tocar as obras de um cinturão de barragens capaz de impedir tragédias do tipo, o governo avalia que a ajuda emergencial foi enviada pela União. "Brasília está com as atenções voltadas para outros assuntos. Mas a gente está pronto. Estamos levantando. Técnicos da Defesa Civil nacional estão percorrendo junto com o nosso pessoal. Estamos trabalhando para retomar a normalidade possível naqueles municípios", diz Stefanni.

O texto tramitará por cinco comissões antes de ir ao plenário da Alepe. Como a oposição se comprometeu a votar qualquer medida emergencial para ajudar as vítimas das enchentes, é de se esperar que ele não enfrente grande resistência. Na justificativa da proposta, o governador Paulo Câmara afirma que os habitantes dos municípios afetados não têm condições de superar, sem a ajuda do Estado, os danos e prejuízos provocados pelas enchentes. 

Via PE Notícias