CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

DRA. ANA CLÁUDIA XAVIER - FISIOTERAPEUTA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Bebê morre após médica se negar a prestar socorro no Rio


Pais dizem que profissional de saúde deixou o plantão sem atender a criança e que nova equipe demorou duas horas para assumir o caso

O pequeno Breno Rodrigues Duarte da Silva, de apenas um ano e meio de idade, morreu nesta quarta-feira (07.06) vítima do que os pais consideram negligência médica. Segundo eles, a médica responsável pelo atendimento foi embora antes da chegada de uma nova profissional para assumir o plantão, cerca de duas horas depois da morte da criança. A informação foi divulgada na manhã desta quinta (8) em uma reportagem do telejornal Bom Dia Rio, da Rede Globo.

Segundo os pais, a criança sofria de um problema neurollógico e sentia dores de estômago, e por isso eles chamaram uma ambulância para levar o bebê para um hospital. “A internação foi solicitada à Unimed. A empresa mandou a ambulância para gente. A solicitação foi as 8h20 da manhã. Quando foi às 9h10 ambulância chegou ao condomínio, só que ambulância chegou no nosso condomínio e nós não sabemos o porquê a médica da ambulância, plantonista que foi para levar o meu filho para a internação, não atendeu”, contou a mãe da criança, a empresária Rhuana Lopes Rodrigues.

A reportagem mostra as imagens de uma câmera de segurança do condomínio com a médica dentro da ambulância. Ela rasga alguns papéis, gesticula bastante e depois vai embora. O relógio marcava 10h13. “O porteiro me avisou novamente o que tinha acontecido, eu liguei novamente para o home care (terceirizado da Unimed para outra empresa, a Cuidar). O home care de pronto entrou em contato com a Unimed, dizendo que solicitaria uma outra ambulância. Só que isso era às 9h10 da manhã. Quando foi às 10h26 da manhã o meu filho faleceu em casa. E eu ligando de 10 em 10 minutos perguntando cadê ambulância. E a outra ambulância só chegou duas horas depois, às 11h quando meu filho já havia falecido”, contou a mãe, que prosseguiu: “Eu tive uma hora e meia entre a chegada dela e o óbito do meu filho. Dentro dessa uma hora e meia, eu teria chegado no hospital, ele teria sido socorrido, ele teria feito os procedimentos que deveriam ser feitos e provavelmente estaria vivo agora”.

Rhuana, grávida do segundo filho, ligou mais uma vez para o plano de saúde e ouviu como resposta que a empresa fará uma investigação interna para apurar o ocorrido pois esse não é o procedimento padrão da  operadora.  “O sentimento é de tristeza porque a gente lutou muito pelo nosso filho, que é especial. Ficou um ano e meio lutando para ele ficar junto com a gente. E a gente vê o descaso de uma profissional que deveria ter atendido na hora e a gente perdeu nosso filho”, falou o empresário Felipe Antônio Duarte da Silva, pai de Breno.

Em resposta ao Bom Dia Rio, a Unimed-Rio lamentou a morte do bebê. A cooperativa disse que vai tomar as providências para descredenciar imediatamente o prestador de serviço e vai entrar na Justiça contra a empresa de home care (Cuidar) por causa da recusa de atendimento. A Cuidar ainda não se pronunciou sobre o caso.