CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

sábado, 3 de junho de 2017

Ataques terroristas deixam mortos e feridos em Londres

Há relatos de que uma van atingiu pedestres perto da London Bridge (Foto: Dominic Lipinski/PA via AP)

Ao menos dois ataques terroristas deixaram mortos e feridos na noite deste sábado (3) em Londres. Uma van atropelou pedestres na London Bridge, cartão-postal da cidade, e pessoas foram esfaqueadas no Borough Market, mercado próximo à ponte.

Policiais disseram à rede BBC que há mais de uma morte e vários feridos.

Veja a cronologia dos ataques:

Às 22h08 de Londres (18h08 de Brasília) a polícia foi chamada à London Bridge, onde uma van atropelou pedestres.

Em seguida, policiais foram ao Borough Market, onde pessoas foram esfaqueadas em um restaurante. Tiros foram disparados no local.

A polícia fechou a London Bridge e a estação de metrô próxima. O local foi evacuado.
Às 0h25 de Londres (20h25 de Brasília) a polícia declarou os dois incidentes como atos terroristas.

A polícia britânica está em busca de três suspeitos do ato em Borough Market, que estariam armados, e pede à população que saia da região.

Três explosões foram ouvidas perto do Borough Market por volta das 1h20 em Londres, mas não se sabe se foi outro ataque ou se é uma explosão controlada pela polícia.

Atropelamento na London Bridge

Testemunhas relataram à rede britânica BBC e a agência Reuters que uma van atingiu pedestres na London Bridge.
Segundo a repórter da BBC Holly Jones, que estava na ponte, a van era conduzida por um homem e atingiu cerca de cinco pessoas após subir na calçada.

Ainda na rua, jovens lamentam incidentes em Londres (Foto: REUTERS/Hannah McKay)

Esfaqueamento no Borough Market
Uma testemunha disse à CNN que dois homens entraram em um restaurante perto da London Bridge e esfaquearam duas pessoas. Segundo a testemunha, uma garçonete foi esfaqueada no pescoço e um homem nas costas.

Segundo a agência Reuters, a polícia britânica está em busca de três suspeitos que estariam armados.

Pessoas saem da área próxima a London Bridge com as mãos na cabeça (Foto: REUTERS/Neil Hall )

Estação fechada
Segundo o serviço de transporte de Londres, a estação de trem London Bridge foi fechada. "A polícia está lidando com um grande incidente e todas as avenidas estão sendo desviadas", diz o serviço.

A polícia divulgou recomendações para as pessoas se protegerem. As instruções são correr a um local seguro, se esconder e ligar para os serviços de emergência caso seja possível.

Um esfaqueamento em Vauxhall, no sul da cidade, foi relatado pela imprensa, mas depois a polícia disse que ele não estava relacionado aos atos terroristas.

Ataque anterior
O incidente deste sábado ocorre após o atentado de Manchester da semana passada, que deixou 22 mortos e mais de 100 feridos na saída do show da cantora americana Ariana Grande. Em março, um ataque terrorista perto do Parlamento britânico deixou cinco mortos e 40 feridos. Um carro atropelou um grupo de pedestres na calçada da Ponte Westminster, perto do Big Ben, e o agressor saiu do carro e assassinou um policial a facadas. Ele foi morto a tiros pela polícia.

Trump defende seu decreto em meio à comoção por ataque
O presidente americano, Donald Trump, disse no Twitter que os EUA farão o que for possível para ajudar o Reino Unido. Também defendeu seu decreto que tenta vetar a entrada de viajantes de alguns países muçulmanos nos EUA.

"Precisamos ser espertos, vigilantes e duros. Precisamos que as cortes nos deem nossos direitos de volta. Precisamos do banimento de viagem como um nível extra de segurança!", disse.

Do G1/Mundo