CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Comissão de Justiça discute piso salarial dos advogados em Pernambuco


Proposta que pretende determinar o piso salarial de advogados empregados em escritórios no Estado foi discutida, nesta terça (18), em audiência pública na Comissão de Justiça. Segundo a medida – contida em anteprojeto de lei entregue ao Poder Executivo pela seccional pernambucana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE) –, a remuneração mínima da categoria ficaria estipulada em R$ 2,5 mil, para jornada semanal de 20 horas, ou em R$ 3,5 mil, para quem trabalha 40 horas por semana.

Profissionais e representantes de entidades de classe presentes se posicionaram favoravelmente aos valores pleiteados no texto. Atualmente, cinco Estados e o Distrito Federal possuem leis que estabelecem o piso salarial de advogados contratados por firmas em regime trabalhista. Para entrar em vigor, a medida precisa ser encaminhada pelo Governo à Assembleia Legislativa – na forma de projeto de lei – e receber a aprovação dos parlamentares.

Presidente da OAB-PE, Ronnie Duarte considerou que a iniciativa empresta “ares de concretude” aos compromissos da entidade no enfrentamento à precarização das relações de trabalho nos escritórios de advocacia. Ele argumentou que a proposta deve “encontrar o necessário equilíbrio” entre o que é justo para os trabalhadores e a capacidade econômica dos empregadores. “Eventual desajuste na fixação do piso pode gerar efeitos indesejáveis”, alertou.

Para o presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de Pernambuco (AATP), Maximiliano Maciel, a medida oferece mais dignidade aos profissionais em início de carreira. Ele considerou “estarrecedor” o cenário das remunerações hoje pagas à categoria. “Tem advogado que ganha R$ 1,2 mil para trabalhar 40 horas. É preciso estabelecer uma relação mínima de segurança para não haver o aviltamento da profissão”, avaliou.

Deputado que solicitou a realização do debate, Rodrigo Novaes (PSD) declarou apoio à proposta e defendeu a valorização da carreira. “O surgimento de vários cursos no País ocasionou uma grande concorrência, que desmerece o trabalho dos advogados. É preciso resguardar a dignidade da profissão”, afirmou.

O presidente da Comissão de Justiça, deputado Waldemar Borges (PSB), analisou que “esse debate é de interesse de toda a sociedade, por isso é importante pressionar o Executivo para que envie o projeto à Assembleia, o quanto antes”. Antônio Moraes (PSDB) criticou “a exploração que se vê nos escritórios em todo o Brasil” e Terezinha Nunes (PSDB) pediu por “uma correção imediata dessa situação indigna”.

Data Magna – Mais cedo, durante a reunião do colegiado, houve discussão a respeito do Projeto de Lei n° 1245/2017, que altera a Lei Estadual n° 13.386/2007 e confere ao dia 6 de março – Data Magna de Pernambuco – a condição de feriado estadual. Atualmente, o dia em que se celebra a eclosão da Revolução Pernambucana de 1817 é considerado apenas ponto facultativo.

Segundo Terezinha Nunes, que divide a autoria do PL com o deputado Isaltino Nascimento (PSB), a lei atualmente em vigor no Estado precisa ser alterada por contrariar a Lei Federal n° 9.093/95. Esta última norma estabelece, em seu artigo 1°, que as datas magnas fixadas em leis estaduais são feriados civis.

“Hoje, todos os Estados brasileiros, com exceção de Pernambuco, têm feriado no dia de sua data magna. Aproveitamos o aniversário de 200 anos da revolução para fazer justiça aos heróis do movimento e para corrigir uma ilegalidade”, explicou Terezinha. De acordo com a deputada, o Tribunal de Justiça de Pernambuco já foi provocado sobre a questão em 2012, chegando a determinar o feriado naquele ano.

“O feriado tem valor de exaltação da data e do fato histórico, o que é relevante para qualquer povo que cultue e cultive suas tradições”, salientou Rodrigo Novaes. No entanto, o relator da matéria na Comissão, Romário Dias (PSD), observou ser necessário analisar melhor a proposta, que traria impactos à economia. “Vivemos uma crise econômica sem precedentes, com comércios e fábricas fechando. É estranho criarmos mais um feriado”, frisou. A opinião foi compartilhada pelo deputado Antônio Moraes. “Já contamos com feriados demais”, ressaltou.

O colegiado também distribuiu dez proposições para relatoria e votou pela aprovação de seis projetos. Entre os que ganharam parecer favorável dos parlamentares, está o PL n° 1297/2017, de autoria do Poder Executivo. A matéria propõe a redução da carga tributária do ICMS, no valor de 1%, incidente na compra de trigo em grão no Estado.

ALEPE