CLIMAGEM

CLIMAGEM

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

CONVENIÊNCIA BODEGA DA VILLA

LOJA FRANCK ELETRO

LOJA FRANCK ELETRO

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

FRIGORÍFICO J & R CARNES & CIA

Italínea

Italínea
BREVE EM PETROLÂNDIA

PANIFICADORA DOCE PÃES

PANIFICADORA DOCE PÃES

CHURRASCARIA COME-SE BEM

CHURRASCARIA COME-SE BEM

SENHORINHA GÁS

SENHORINHA GÁS
O GÁS MAIS BARATO DA CIDADE

LOJA D' BRUM

LOJA D' BRUM

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES

CLÍNICA ODONTOLÓGICA ANTÔNIA LOPES
CIRURGIÃO DENTISTA DR. FÁBIO LOPES

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

CLÍNICA E LABORATÓRIO 'JAQUES'

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

POSTO DR COMBUSTÍVEIS

LANCHONETE PATRIOTA

LANCHONETE PATRIOTA

NEGUINHA SALGADOS

NEGUINHA SALGADOS

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

Dra. MARIA RAPHAELA COUTO

DR. ÉRICO HEBERT

DR. ÉRICO HEBERT

DR. JEFFERSON TÉCIO

DR. JEFFERSON TÉCIO

FRIGORÍFICO JB

sábado, 18 de março de 2017

Com dinheiro do BNDES, Paulo Câmara quer levar água a 23 municípios em colapso, no interior, até o fim de 2017


Esta semana o governador Paulo Câmara (PSB) buscou o BNDES para fechar a engenharia financeira para entregar a primeira fase da Adutora do Agreste em 2017, até dezembro. Se conseguir, terá não só revertido à seca em 23 cidades, de 33 em colapso pela falta de água, em Pernambuco. Ganhará um reforço político no Agreste, rumo a 2018.

A adutora é o principal complemento da transposição. Mas ela dependia de uma obra não realizada pelos governos Lula e Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB): o Ramal do Agreste, um canal que pegaria parte da água da transposição para a Adutora do Agreste, 1.100 km de tubos para chegar a 68 cidades. Sem o Ramal, a água da transposição só vai direto para a Paraíba.

O governo pensou em como usar a Adutora mesmo sem água da transposição. É possível abastecer 23 das 33 cidades hoje em colapso no interior. Mas o dinheiro começou a travar em Brasília e a adutora atrasou. Agora Paulo quer acelerar a obra com parte dos R$ 600 milhões em empréstimos autorizados pelo governo Temer. Ontem ele estava no BNDES negociando. E a Compesa já se prepara. Há um sentimento de urgência no governo.

“FIZEMOS A NOSSA PARTE”

Presidente da Compesa, Roberto Tavares lembra o dia em que a estatal iniciou a obra da Adutora do Agreste: 4 de junho de 2013. “Mas entre 2014 e 2015 o repasse foi quase zerado pelo governo federal”, diz. Hoje as obras voltaram ao ritmo, porém foi o Ramal do Agreste que não saiu. “Fizemos a nossa parte”, fala.

Com R$ 165 milhões em emendas de bancada, Paulo ampliou o alcance da primeira etapa da Adutora do Agreste: vai levar a água por meio de outra tubulação, a Adutora do Moxotó, a seis municípios, como Jataúba e Paranatama.

A Adutora do Agreste terá a “espinha dorsal” ao longo da BR-232, chegando a Belo Jardim, Pesqueira e Cruzeiro do Nordeste, entre outras. A segunda fase levará a água até Caruaru, atendida por outra obra nova, Adutora do Pirangi.

Via PE Notícias